2 de maio de 2012

Crítica: Terror em Amityville (1979)


Filmes sobre casas assombradas são algo recorrente no terror, existem várias produções que abordam o tema, mas poucas produções se destacam e viram clássicos ou cult. Um dos filmes mais conhecidos com esse tema é The Amityville Horror, intitulado no Brasil como Amityville - A Cidade do Terror nos tempos do VHS e exibições na TV e Terror em Amityville quando foi relançado em DVD.

O filme foi lançado em 1979 e era baseado no best seller de mesmo nome escrito por Jay Arson, que contava relatos supostamente reais da casa em Amityville onde o filho mais velho da família Defeo matou a sangue frio toda a família sem motivo algum e onde algum tempo depois a família Lutz se mudou e diz ter presenciado coisas entranhas na casa.


O filme se baseia no livro, mas é muito inferior a ele. A história segue a mesma linha do livro, mas com várias modificações e coisas inventadas só para o filme. O filme começa mostrando de forma criativa a familia Defeo sendo assassinada pelo filho, logo depois é apresentado a família Lutz formado por Kathy Lutz (Margot Kidder a Lois Lane de Superman) e George Lutz (James Brolin, excelente no papel) e 3 crianças, que são filhas de Kathy.

Mesmo sabendo do passado da casa eles decidem se mudar para o local por causa do preço e por não acreditarem em assombração. Os dias vão passando e a família vai sendo perturbada por estranhos fenômenos. A filha diz ter uma amiga imaginária chamada Jodie e George começa a ficar maluco no estilo Jack Torrance de O Iluminado.

Assim como Colheita Maldita, Terror em Amityville é um filme irregular cheio de altos e baixos, mas que por algum motivo tem status de clássico e cult, tendo também um grande numero de continuações.

Um dos pontos altos do filme é a trilha sonora macabra , que reza a lenda era a trilha sonora de O Exorcista, mas que foi recusada pelo diretor William Friklin e foi reaproveitada nesse filme. A trilha sonora é até mais memorável e assustadora do que o próprio filme.

Outro ponto alto além da trilha sonora são as atuações de Margot Kidder e Josh Brolin, os dois estão excelentes com atuações acima da média.

O grande erro do filme é não se sustentar durante as quase duas horas de filme, o roteiro cria várias situações forçadas, sem relação com a história e que estão lá só para encher linguiça. Exemplos é o que não faltam, tem uma cena que a tia de Kathy vai visitar a casa e passa mal e depois sai correndo do local, a cena é completamente ignorada depois que termina. Em outra cena o irmão de Kathy passa na casa antes do casamento e deixa o dinheiro na mesa, onde segundos depois some.(!). Será que os fantasmas roubaram para comprar lençóis novos?! Sei não, já que a cena não tem motivo nenhum de existir, além dessa cena tosca o filme segue Kathy e George indo ao casamento do cara. A pergunta é: Pra quê?! Qual o motivo do filme gastar uns 10 minutos de projeção, para mostrar o casamento de um estranho que não tem relação nenhuma com a história do filme?! Resposta: Enrolação e falta de enredo!


O filme consegue ser mais arrastado e monótono do que Atividade Paranormal, acho que os roteiristas e o diretor quiseram que o filme fosse contido, já que se baseia em eventos reais e cenas de terror exageradas poderiam quebrar o clima de realismo que o livro tem e que o filme tenta seguir, mas o resultado é um filme de terror muito limitado e que fica abaixo do potencial. Se tivessem trabalhado mais o roteiro e tirado algumas partes, esse seria um dos maiores clássicos do terror.

Lá pela metade o filme da uma piorada quando entram em cena um casal metidos a médiuns, que conhecem George e vão examinar a casa. A mulher fala merdas do tipo: "Os demônios são espertos, eles pensam além das dimensões". hahahahaha Quem escreveu esse dialogo, ou tava drogado ou era um hippie muito doido.
O casal vai até o porão e encontram uma passagem que dá entrada a um poço. E o rosto do George aparece num efeito estilo Chapolin Colorado que vai fazer muita gente rir. Assim como várias outras cenas essa também não tem motivos nenhum para estar no filme, num segundo o casal some de cena e tudo é ignorado quando a cena acaba.

Um subenredo que eu achei bacana, mas que não foi muito bem aproveitado é o do padre que é assombrado, depois de entrar na casa e nenhum outro padre acredita nele. Tem até uma cena muito boa em que ele é assombrado enquanto reza na igreja. Tem também o sub enredo de um detetive que investiga casos relacionados a casa, mas um sub enredo que não foi aproveitado como deveria e que não tem motivo de estar no filme.

A falta de suspense no terror também é um grande defeito, o filme nem tenta criar um clima e aposta em cenas e situações forçadas que como eu tinha dito não tem motivo nenhum para estar no filme. A única cena que eu acho que merece destaque é aquela que o George do lado de fora da casa olha para a janela do segundo andar e vê um porco com olhos vermelhos. Uma das poucas cenas de destaque no filme.


Há quem diga que O Iluminado foi influenciado por esse filme, mesmo sendo uma adaptação de um livro de Stephen King. Aquele lance do George ficando maluco com o passar dos dias, lembra muito O Iluminado, mas não é tão bem trabalhado como no caso de O Iluminado que usa isso pra criar tensão no filme.

Terror em Amityville é um filme cheio de altos e baixos, mas vale a pena conferir pela nostalgia e por ter dado origem a um das maiores séries de terror da história do cinema.

Postado por: Marcelo

Um comentário :

  1. Anônimo11/08/2012

    Este filme é otimo,mantem voce preso no sofá nas quase duas horas de filme.Não entendi a critica do meu chara marcelo.Muito melhor que o remake,é um filme sem efeitos pirotecnicos e bizarros,que tras na simplicidade das cenas uma tensão enorme.O segundo é melhor eu confesso,mais este filme vale muito a pena conferir pra quem é fã de filmes de terror antigo como eu.Marcelokanoia@hotmail.com

    ResponderExcluir