16 de setembro de 2012

Crítica: Resident Evil - Retribuição (2012)


Manter a qualidade até um 5ª filme de uma franquia é uma proeza que poucas séries do cinema foram capazes, muitas das franquias chegam a terceira parte completamente desgastadas, muitas delas com um número menor de público e orçamento que no começo. Resident Evil foi o caso contrário dessa regra e a cada filme o orçamento e o público aumenta é a série manteve o status por 10 anos desde que o primeiro filme foi lançado, lá em 2002.

A franquia divide opiniões, muitos fãs do jogo reclamam que a série não é fiel aos eventos e personagens e que a franquia cinematográfica ruim e que nada tem a ver com os jogos da série Resident Evil criada pela Capcom. Alguns já se acostumaram e sabem que a série apenas se baseia em alguns elementos e personagens do jogo para criar o próprio enredo. Mesmo sendo diferente do jogo a série tem sua qualidade e é uma das franquias mais divertidas do cinema atual.Sim, há problemas com os enredos dos filmes, mas isso não chega a incomodar, já que o objetivo é divertir e entreter o público e isso os filmes da série fazem muito bem.

Resident Evil: Retribuição mesmo com os defeitos consegue ser o filme mais divertido da saga. Depois da espetacular cena de abertura, em que mostra o navio Arcádia sendo atacado pela Umbrella e Alice é uma das poucas sobreviventes do ataque, ela acorda em uma instalação secreta de pesquisas da Umbrella, onde é interrogada por Jill Valentine (que está sobre o comando da Umbrella desde o filme anterior). Não tarda até Alice conseguir fugir com a ajuda da Japa gostosa e lutadora Ada Wong, que trabalha para o Wesker que de repete virou a casaca e decidiu ajudar Alice a fugir da instalação da Umbrella que está sendo controlada pela Rainha Vermelha (aquela inteligencia artificial do 1º lembra?).

(A partir daqui o texto contêm spoilers):


O lugar inteiro é uma simulação do mundo real, subterrâneo embaixo do gelo, onde os cientistas faziam experiências com o T-vírus, criando clones e colocando-os em situações cotidianas para testar como a sociedade reagiria ao T-Virus depois que infectasse a população. Dentro da instalação há clones da Alice, Carlos Oliveira e versões diferentes da Rain. Dentro de um subúrbio falso uma das clones da Alice é casada com Carlos e tem uma filha, que sobrevive ao ataque dos zumbis. Onde mais tarde é salva pela Alice original que se apega a menina e faz de tudo pra salvar ela também. Com a ajuda de Ada Wong, Leon e Adam West eles tentam fugir do lugar antes da rainha vermelha matar todos.

(Fim dos Spoilers)

O roteiro desse 5º filme é uma reciclagem de tudo que já foi criado na franquia, só que em escala maior, além de algumas novidades como o vírus "La Plaga" e o Licker gigante. Sim o roteiro do filme é meio absurdo, mas isso não é defeito. Finalmente o filme encontrou sua identidade e adotou a postura de filme de vídeo game, deixando de lado a ideia de fazer um simples filme de zumbi ou ação no estilo Matrix e partiram para a idéia de fazer um filme parecido com um jogo. O esquema é quase idêntico ao de um jogo, cada cena e cenário diferente parece uma nova fase do mesmo jogo, onde os personagens precisam enfrentar a ameaça até chegar a próxima fase. Bacana demais!



Mesmo com a ação explosiva cheia de tiros, explosões, pancadaria, o filme voltou a ter elementos de terror, algo que o quarto tinha perdido. Além das cenas de ação o filme tem momentos de terror, além de ser mais violento que o "limpinho" filme anterior. Os zumbis tem um pouco mais de destaque do que em Recomeço, mas ainda aparecem menos do que deviam.


O visual do filme é espetacular, os cenários que reproduzem grandes cidades como Tóquio, Nova York, Washington foram muito bem elaborados e deram o filme um estilo bacana. O 3D é muito bem utilizado, é mais profundo que o do filme anterior, mas são poucas as cenas em que algo sai da tela.

A Ada Wong e Leon foram muito bem caraterizados e representados, parece que saíram direto dos jogos pra vida real, a Ada é a coadjuvante que mais se destaca no filme, além de ser carismática, o Leon tá tão apagado quanto o Chris em Recomeço, mas tem uma participação digna nesse filme. Além dos dois também temos de volta duas personagens conhecidas da série Rain e Jill Valentine, as duas interpretando vilãs. O jeito como eles trouxeram a Rain de volta foi criativo, pelo trailer parecia que a personagem ia ser ressuscitada, mas não é isso que acontece. Já a Jill Valentine não aparece tanto como deveria, mas dá um show nas cenas de luta com a Alice. Só a cena que as duas caem no mano a mano já vale o preço do ingresso. Wesker o personagem que tinha sido retratado com mais fidelidade ao jogo foi descaraterizado, o ator continua o mesmo, mas o personagem mudou, de vilão supremo virou o salvador da pátria, achei isso uma das maiores cagadas desse filme.



Milla Jovovich continua se destacando como Alice, ela é o coração e a alma dessa franquia. A Chuck Norris de saia, descendo o cacete, atirando e sendo fodona, além de ser carismática e linda. O lance de terem colocado uma criança que acha que Alice é Mãe dela deixou o filme e a personagem mais interessante com o lado Mãe Heroína.

Há alguns momentos absurdos como a cena dos zumbis nas motos atirando, foram inspirados nos "Las Plagas" do 4º jogo, mas ficou meio doidão, bizarro ao estilo trashão. Falando em trash, o filme tem alguns momentos caricatos que só são vistos em filmes trash, além do humor negro.

Não esperem um roteiro espetacular e bem amarrado porque isso não tem, o filme até ignora aquele lance do sangue da Alice ser a cura para a infecção zumbi. Resident Evil: Retribuição é um filme que vai agradar quem gosta da franquia ou procura entretenimento descompromissado, um filme divertido e que merece ser visto principalmente em IMAX 3D. Quem curte a franquia pode ver sem medo, é um dos filmes mais divertido da franquia, além de ter muitas referencias ao jogo.

por Marcelo Alves

Título Original: Resident Evil - Retribution
Ano: 2012
Duração: 96 minutos
Direção: Paul W. S. Anderson
Roteiro: Paul W. S. Anderson
Elenco: Milla Jovovich, Michelle Rodriguez, Kevin Durand, Sienna Guillory, Shawn Roberts, Li Bingbing, Oded Fehr, Aryanna Engineer


Um comentário :

  1. Anônimo5/02/2014

    Adoro o filme , mais sinceramente detesto a personagem Alice , sempre torci para ela morrer.

    ResponderExcluir