24 de dezembro de 2012

Crítica: Natal Sangrento (1984)


No começo dos anos 80 houve uma grande explosão de filmes do subgênero slasher, boa parte dos filmes lançados na época viraram clássicos e cults dentro do gênero terror. Uma coisa que boa parte dos slasher tinham em comum era o argumento, um filme inspirava o outro: Sexta-Feira 13 se inspirou em Banho de Sangue e Halloween; Halloween foi inspirado em Noite de Terror; Chamas da Morte em Sexta-Feira 13, como um filme inspirava o outro, boa parte do argumento dos slashers era pegar data e feriados para criar um enredo relacionado a uma data. Halloween era a data de Dia das Bruxas, A Noite das Brincadeiras Mortais o dia da mentira, Dia dos Namorados Macabro o dia dos namorados... Não ia tardar para algum slasher surgir com a ideia de fazer um filme de terror natalino, algo que já tinha sido usado em Noite de Terror (Black Christmas 1974). Em 1984 foi lançado o filme Silent Night, Deadly Night (no Brasil Natal Sangrento) um dos bons filmes da grande safra de slashers dos anos 80.

O filme começa em 1971, mostrando uma família formada pela Mãe e o Pai do pequeno Billy indo visitar o avô do moleque em um hospital psiquiatrico. O coroa parece estar em estado catatônico e a família vai conversar com um médico, deixando Billy sozinho com o Avô que ao notar o sumiço da família volta a si, falando para Billy que no Natal o Papai Noel irá punir quem não foi bom o ano inteiro. Ao sair do sanatório a família é vitima de um assaltante vestido de Papai Noel, que minutos antes havia assaltado uma loja e matado a sangue frio o caixa da tal loja. Billy testemunha o assassino vestido de Papai Noel matar o Pai e a Mãe.

Billy e o irmão vão morar num orfanato, Billy demonstra ser traumatizado ao fazer desenhos de pessoas sendo mortas, pra piorar Billy é mal tratado pela Madre Superiora com surras e castigos, fazendo Billy ficar ainda mais perturbado, um dia ele vê um casal transando em um dos quartos do orfanato, onde mais tarde são castigados pela Madre superiora que diz a Billy que aquilo era muito errado.

O roteiro do filme não se apressa em contar a história de Billy, toda a infância e os traumas são detalhados, ocupando os 45 minutos inicias do filme, algo diferente e bem vindo, já que boa parte dos filmes desse estilo não exploram o lance psicológico do assassino, algo que esse filme faz muito bem.


Billy cresce e aos 18 anos consegue um emprego em uma loja de brinquedo. Tudo de boa, o tempo passa Billy é um bom funcionário, que acaba gostando de outra funcionaria da loja chamada Pamela, nada de errado até chegar o Natal, quando o patrão de Billy tem a ideia de coloca-lo como Papai Noel. Numa noite qualquer no trabalho Billy vê outro funcionário da loja agarrando Pamela a força, fazendo Billy se lembrar da noite em que a Mãe foi morta. É o bastante para fazer Billy surtar e começar a matar, sem dó, completamente perturbado, matando todos que entram em seu caminho.

Embora careça de suspense, Natal Sangrento é um bom filme slasher. O diretor e o roteirista souberam trabalhar bem o personagem principal, mostrando a infância perturbada do assassino, que diferente da maioria dos filmes Slasher não é um  deformado ou doente mental, apenas um sujeito com um trauma que o levou a loucura.

A atuação de Robert Brian Wilson como psicopata na maior parte do tempo é rasa, sem muito destaque. Em alguns momentos se destaca apenas pelo olhar e sorriso de louco, quase sem fala alguma a não ser "Naughty".

A primeira parte do filme conta a história de Billy e seus traumas, quando o filme chega a metade se torna um autentico slasher com muitas mortes violentas e memoráveis com direito a marteladas, machadadas, flechadas e por ai segue. Dentre as várias mortes, destaco aquela em que dois sujeitos estão esquiando na neve e um deles tem a cabeça decepada. Aquela cena em que Billy mata Denise (interpretada por Linnea Quigley) que é empalada com os chifres de uma cabeça empalhada de antílope é tão boa que foi copiada pelo reboot de Sexta-Feira 13.

O filme teve quatro continuações, mas esse é sem duvida o melhor da franquia. Inicialmente se chamaria Slay Ride, referencia a cena em que os pais de Billy são mortos, mas teve o título alterado para Silent Night, Deadly Night. Outra curiosidade é que o filme estreou no mesmo dia que o clássico A Hora do Pesadelo e chegou a ter um faturamento maior que ele, mas na semana seguinte teve uma grande queda por causa da censura. A pouco tempo o filme foi lançado com a versão sem cortes assim como o censurado Dia dos Namorados Macabro.


Natal Sangrento é um filme divertido que com certeza merece ser conferido, principalmente nessa data, infelizmente foi um filme subestimado para a época em que foi feito, mas assim como O Enigma de Outro Mundo ganhou status de Cult e é muito conhecido e adorado por fãs de terror até hoje.

Postado por: Marcelo

Postar um comentário