19 de abril de 2015

Crítica: Eye Candy | 1ª Temporada (2015)


Enquanto a série Scream estava em seus primeiros passos na produção, a MTV aproveitando o sucesso de Teen Wolf resolveu investir numa nova série de suspense. A escolhida foi Eye Candy, que é uma adaptação de um livro de R. L. Stine. Apesar de nem saber sua história, esnobei a série por conta de sua protagonista, a péssima Victoria Justice, conhecida por estrelar a série nickelodiana Victorious. Porém, após saber da história da série, resolvi dar uma olhada e apesar de algumas falhas, a série me surpreendeu, em um olhar geral.

Anos atrás, a irmã mais nova da hacker Lindy (Justice), Sarah, foi sequestrada e não se soube mais sobre o seu paradeiro. Agora, Lindy mora em Nova York, usando suas habilidades para achar pessoas desaparecidas. Quando um serial killer começa a perseguir através de uma rede social chamada Flirtual, Lindy terá que se juntar à Unidade Cibernética de Nova York, um departamento que sempre viu Lindy como vilã, para descobrir a verdadeira identidade do serial killer, antes que seus amigos e ela mesma seja morta por ele.


O piloto é interessante. A história é interessante. O desenrolar é interessante. O erro da série é a forçação de barra que é o apelo teen. Acho que foi para atrair o público e aumentar a audiência, já que grande parte do público da MTV são jovens. O ruim é que chega a ser irritante! As piadinhas sem graça, o elenco mal-preparado e etc. É a mesma sensação que tive quando assisti Teen Wolf. Tinha tanto potencial, mas esse "teen" todo pega mal.

Outro problema que muitos perceberam é o roteiro fraco. Os episódios e seus dilemas são facilmente resolvidos e desenrolados rapidamente, sem ter um momento para a história evoluir de forma sensata. Tudo se torna absurdamente previsível, o que não ajuda de maneira positiva a série. Todo o plot se torna confuso e ilógico, justamente pelo rápido desenrolar da narrativa, que sempre opta pelo jeito mais fácil de se resolver.

Fica então a impressão que os roteiristas não tinham a agilidade de construir a história em 10 episódios. Aliás, se não fosse por isso, por que eles colocariam histórias paralelas na série? Como a dos jovens no navio ou até aquele ataque cibernético no hospital. Tudo fica bastante nonsense, deixando a série fraca.

A identidade do assassino também foi bastante decepcionante, pois durante toda a temporada, as pistas indicavam para ele. Só que no fundo, no fundo, nos queríamos que não fosse tão óbvio. Eu por exemplo, queria que fosse Tommy, pois seria um pouco chocante e pegaria de surpresa mesmo. E além disso, toda a explicação para a construção do assassino foi forçada, ou simplesmente sem graça.

Eu não posso negar, me apeguei com a série. Mas tenho que reconhecer suas falhas - que não são poucas. A season finale deixou várias pontas soltas para uma segunda temporada - que recentemente foi negada e a MTV cancelou a série. Eu realmente queria que a série tivesse tido pelo menos mais 5 episódios para mostrar o paradeiro de Sara, coisa que eles deixaram para a segunda temporada (ou seja, nunca mais vamos descobrir). A série tem um suspense bom mas o roteiro é fraco. Eu queria uma segunda temporada, mas entendo exatamente o por que do cancelamento.

Nota: 5

por Neto Ribeiro

Postar um comentário