13 de maio de 2015

Crítica: A Casa dos Mortos (2015)


A produção de Demonic, ou A Casa dos Mortos, é como podemos chamar de "das antigas". O filme começou a ser desenvolvido um ano depois que o primeiro Sobrenatural foi lançado, lá pelas tantas de 2011. Na época de produção, o filme se chamava House of Horror e se você for pesquisar sobre o filme no Google, poderá achar um poster com outra foto da casa mas com uma tagline diferente: "The devil made me do it", ou O diabo me fez fazer isso. No entanto, a história não teve alterações. Você pode achar a mesma sinopse liberada quase dois anos atrás com a atual. Pois é.


Bom, muitos de vocês já devem ter assistido o filme nos cinemas. Pois, curiosamente, ele havia sido divulgado e lançado primeiro aqui no Brasil do que no mundo afora. Bem dizer, mais de um mês antes do lançamento lá fora. Pra falar a verdade, o filme não foi lançado nos EUA. Provavelmente, vai direto pro DVD. Enfim, outros apenas esperaram sair na net (eu!!!) ou simplesmente não quiseram assistir. Se você se encaixa na última categoria, meu amigo, eu te entendo. O filme se sobressai bem no núcleo da investigação, que ainda assim, tem um final bem merdinha.


Recentemente, é muito mas muito difícil achar um filme bom e diferente que tenha "assombração" como tema. "Ah, teve o Invocação do Mal". Sim, mas ele foi bom por que soube aproveitar os clichês (e haja clichês!), mas não por que criou uma história nova e criativa, pois não foi o caso. Poderia dizer a mesma coisa com Sobrenatural, mas devo dar créditos à todo o universo criado no filme. Tem seus clichês mas consegue ser aquele filme que tem uma reviravolta que ninguém esperava. Eu não esperava a reviravolta do Capítulo 2! Infelizmente, Demonic não é um desses casos. Poderia ser se não fosse "n" motivos. Vou explicar melhor mais a frente. Deixe-me primeiro falar sobre o filme:


Após uma chamada local, o Detetive Mark Lewis (Frank Grillo, Uma Noite de Crime 2: Anarquia) vai até uma antiga casa investigar. Lá, ele encontra três corpos de jovens e um sobrevivente, John (Dustin Milligan, Terror na Água), sendo que ainda tem duas pessoas desaparecidas. Mark pede ajuda à uma psicóloga policial, Dr. Elizabeth Klein (Maria Bello, Big Drive), para interrogar o garoto.


Acontece que, a tal casa serviu de palco para um massacre, 20 anos atrás, onde uma jovem surtou e matou várias pessoas, em um ritual satânico. E John, é filho da única sobrevivente do massacre de 20 anos atrás... Enquanto Mark investiga o que aconteceu na casa e onde estão os dois desaparecidos, sendo que uma delas é a namorada grávida de John, enquanto Elizabeth interroga o sobrevivente, à procura de alguma pista. 

O roteiro do filme interpõe os dois núcleos do filme (o que aconteceu na casa e o da investigação) o tempo todo. E acho que uma das poucas coisas que me fizeram dar pelo menos 1,5 à esse filme foi a investigação policial. Ela é sem dúvidas, o ponto mais interessante do filme, pelo menos para mim. Todas as cenas da casa eram estupidamente previsíveis, com os piores clichês possíveis! Quando cortava de uma cena da investigação para outra da casa, eu me irritava mais ainda!


O filme se aproveita de sustos bobos e baratos, o que dá menos crédito à ele. Parece que o roteirista tinha feito um roteiro só de investigação, só que depois os produtores falaram "Não! Coloca uns demônios no meio pra chamar a atenção do público", entendem? Parece uma mistura mastigada dos filmes de Wan com um episódio de CSI. Até o final corrido lembra Jogos Mortais! E o que falar daquelas reviravoltas irritantes?


No final das contas, Demonic se torna mais um filme chato e previsível que falha em sua única proposta: assustar. A falta de um roteiro competente e uma direção boa faz o filme incapacitado. Não tenho dúvidas de que se James Wan tivesse na direção, tinha saído algo bom. Por que eu tenho certeza que ele iria providenciar algumas mudanças no roteiro! É um filme irritante, uma verdadeira bomba. Passem longe!

Nota: 2,5

por Neto Ribeiro


4 comentários :

  1. Disse tudo. Um filme ruim e sem graça, onde a melhor parte da película está no final, quando sobe as letrinhas e acaba a tortura do telespectador.

    ResponderExcluir
  2. Eu estava ansioso pra ver esse filme na minha proposta de "últimos filmes de terror que falta pra assistir" mas........................ ----> fiquei desapontado ;_;
    Aliás, o blog ta mudando mais do que as mil faces do Michael Jackson hein kkkkkk
    Escolham um estilo e deixem assim!

    ResponderExcluir
  3. "reviravoltas irritantes" As reviravoltas são as melhores coisas desses filmes. Você falou dos Clichês, colega não existe a possibilidade de um filme de terror não ter clichês, é impossivel. Não tem como mais ser original nesse gênero. Tudo já foi feito, criado e mostrado.

    ResponderExcluir