13 de maio de 2015

Crítica: Halloween - Ressurreição (2002)

"You just won't die, will you? Who are you? Michael fucking Myers?"
- Jill Roberts, Pânico 4
E aí, pessoal, tudo bem? Vim hoje comentar sobre o último filme da franquia original de Halloween. Lançado em 2002, Ressurreição vem continuar a história de H20 (1998) em que todos achávamos que era o fim da franquia. E para ser sincero, se tivesse parado nele, seria o fim perfeito! Porém, a ganância da Miramax Films fez com que um oitavo filme da franquia (sétimo do Michael Myers) fosse feito. Para falar a verdade, eles queriam fazer um filme paralelo (como terceiro, sabem?). Com uma nova história, novo assassino, etc. Só que o produtor Moustapha Akkad não quis, por ter medo de um novo fracasso, assim como o Halloween III tinha fracassado, justamente por ser um filme que nada tinha a ver com a história de Myers.

O título original do filme seria Halloween: The Homecoming (algo como O Retorno, ou na tradução literal, Volta ao Lar) e até consideraram a volta de Danielle Harris, a Jamie Lloyd dos H4 e H5, para um papel no filme. Porém, os produtores queriam ignorar a história desses dois, assim como H20 fez, e também queriam um título que indicasse que Michael estava vivo, para chamar atenção. Foi assim que o filme se transformou em Ressurreição.


Então, para desenvolver o filme, eles teriam que ter uma explicação muito boa para explicar como Michael estaria vivo após ser decapitado, certo? E o único jeito para que ele estivesse vivo, que não fosse por macumba ou um raio (Jason Lives feelings) o tivesse ressuscitado, seria se não fosse ele quem foi decapitado. E foi essa premissa que usaram no filme.

No final de H20, Laurie (Jamie Lee Curtis) não decapitou Michael, mas sim um dos paramédicos que estavam no local. Michael havia esmagado a laringe dele e colocado a máscara nele, fazendo com que todos acreditassem que ele estava morto. Michael fugiu, deixando Laurie ser incriminada pelo assassinato de um inocente. Para não ser presa, Laurie declara insanidade e é mandada para um hospital psiquiátrico.

Três anos após o H20, Michael finalmente encontra Lauren no hospital e a mata. Tenho que admitir que a cena de abertura é a melhor coisa do filme, apesar da morte dela. Para falar a verdade, quem nunca assistiu ele, pode até se iludir pensando que o filme será bom. E por falar na cena de Lauren, vocês sabiam que Jamie só concordou em fazê-la pois queria que sua personagem tivesse logo um fim e ela não precisasse voltar nas sequências. O engraçado disso tudo foi que os produtores disseram que Jamie havia gostado tanto do roteiro do filme que queria fazer parte dele. Só que não.

Enfim, após a introdução, vemos o que o filme irá realmente mostrar. Um site chamado DangerTainment (na dublagem foi traduzido como Diversão Perigosa) quer fazer um tipo de reality show onde jovens estudantes irão passar uma noite na casa de Michael Myers, procurando pistas para saber o por que dele matar as pessoas. A partir daí, não preciso falar mais nada, pois já é óbvio. "O que eles não sabem é que Michael está na casa e vai matar um por um".

O filme é sem dúvidas, um dos piores da franquia. Dá para competir numa boa com o Halloween 6! Roteiro fraco, personagens estúpidos e um suspense que beira à comédia. Simplesmente não entendo por que a Miramax não podia ter deixado o H20 quieto. Tinha sido o final perfeito pra franquia. Saía todo mundo feliz! E para falar a verdade, Ressurreição poderia ter sido bom - com ênfase no poderia - se tivesse um roteiro competente. Aliás, a cena inicial é boa. Pra mim, uma das melhores da franquia. Mas o resto do filme...


O elenco é desprezível. Além da Jamie Lee, a única pessoa boa no elenco é a Katee Sackhoff e não é nem pelo desempenho dela no filme, pois ela está horrível, mas sim por trabalhos posteriores. Colocaram figuras famosas da época como o rapper Busta Rhymes e a modelo/atriz Tyra Banks para chamar atenção, sendo que Tyra é uma das pessoas que menos aparece no filme! Como se não bastasse, colocam ela no poster como se fosse a principal. E para falar a verdade, ela daria uma ótima final girl. Achei a Sarah muito forçada. Seria ótimo dar uma variada, pois já é de praxe filmes de terror ter protagonistas reclusas e introvertidas, etc. O clima de comédia é irritante e só vem parar lá pro desfecho do filme, quando Sarah está se escondendo de Michael. Perseguições no telhado em um filme do Halloween sempre são boas (rs).

No entanto, devo dar ao filme seus méritos. Ele consegue divertir. Não é nada que você deva assistir com compromisso (que foi o meu caso). É exatamente é a mesma coisa de assistir algum filme do Sexta-Feira 13 que não seja os quatro primeiros. Você vai para ver jovens burros morrendo de formas estúpidas. Aqui tem algumas mortes nesse nível, como por exemplo, uma personagem é decapitada facilmente pela faca de Michael, como uma faca passa numa manteiga. Ok né.
por Neto Ribeiro

Título Original: Halloween - Resurrection
Ano: 2002
Duração: 89 minutos
Direção: Rick Rosenthal
Roteiro: Larry Brand, Sean Hood
Elenco: Busta Rhymes, Ryan Merriman, Tyra Banks, Bianca Kajlich, Thomas Ian Nicholas, Jamie Lee Curtis

Postar um comentário