29 de agosto de 2015

Crítica: O Mistério de Candyman (1992)


Particularmente, acho que uma palavra que descreve perfeitamente os anos 90 no horror é reinvenção. Digamos que era difícil fazer um bom filme de horror naquela década, principalmente antes de Pânico chegar em 1996. Filmes de terror que eram lançados naquela época eram basicamente continuações de A Hora do Pesadelo, Sexta-Feira 13 e Halloween, e acho que quase todos tem a consciência que tais franquias já estavam extremamente desgastadas e os filmes basicamente eram comédias. Não estou generalizando, mas é só você dar uma boa pesquisada que vai entender do que estou falando.

E naquela época, Hellraiser tinha feito um sucesso razoável, e com adaptações de Stephen King saindo todos os dias, resolveram apostar em Clive Baker. Baker tem uma coletânea de livros chamada Livros de Sangue, que cada volume possui 4/5 contos bem interessantes. Num dos volumes, há um chamado The Forbidden, ou O Proibido.  Foi assim que surgiu Candyman, uma tentativa de criar um novo ícone do horror, no melhor estilo Freddy Krueger. Lançado em 1992, O Mistério de Candyman tem tudo para ser um clássico, mas ainda assim, um clássico meio incompreendido. No entanto, consigo ver que ele poderia ter sido melhor, até melhor que A Hora do Pesadelo, já que se você olhar de uma forma geral, as histórias são parecidas.


Candyman é protagonizado pela muito subestimada Virginia Madsen (Evocando Espíritos), no papel de Helen Lyle, uma estudante de jornalismo já em seu último ano, tentando terminar sua tese. O tema que ela escolheu foi lendas urbanas, uma em particular: a do Candyman. Segundo a lenda, se você chamar o nome dele no espelho 5 vezes e apagar a luz em seguida, ele aparece para te matar. Com a ajuda de sua melhor amiga, Bernadette, ela entrevista pessoas, ouvindo versões e histórias "reais".

Suas investigações levam a uma morte suspeita de uma idosa num alojamento comandado por gangues. Vários residentes do alojamento acreditam que a idosa foi morta pelo Candyman. Após reviravoltas na história e na vida de Helen, a polícia prende um homem que atacou Helen enquanto ela investigava a história, acreditando que ele foi o responsável pela morte da idosa.

Com a lenda do Candyman "provando-se" mentirosa, tudo se resolve para Helen... Até que o Candyman (Tony Todd, Premonição e o incrível A Noite dos Mortos Vivos de 1990) vem realmente atrás dela, tentando se vingar por ela ter tirado todo o poder dele, gerado pelo medo que as pessoas tinham na lenda. Agora, ele começa a matar pessoas próximas a ela, incriminando-a, para que Helen se entregue para ele.

Tony Todd tava muito sinistro como o vilão que dá o nome ao filme. Havia cenas com ótimas jogadas de câmera (como a de Helen com ele no apartamento, em que ele aparecia do nada no corredor). Sem dúvidas ele foi perfeito para o papel. Virginia Madsen também estava incrível como Helen. Como falei no início, ele é muito subestimada. Gostaria que ela voltasse a fazer filmes de terror bons (ela fez recentemente aquele Dead Rising: Watchtower).

"Sempre foi você, Helen."
É, sem dúvidas, uma história interessante e instigante, e que de certa forma é bem desenvolvida no filme. Ele tem um suspense incrível, bem construído, e ainda tem mortes bem violentas, com direito a estripamento pela mão gancho mutilada do Candyman.

Também é importante salientar a boa direção de Bernard Rose. Sei que deve ter sido um pouco difícil captar todo o clima de uma história que é originalmente um conto curto. Gostei de como comandou algumas cenas (enquanto outras nem tanto, como quando Candyman conversava com Helen e parecia um filme de romance). O roteiro também tem um certo de patriotismo afro-americano, explorando a cultura africana, comunidades negras, preconceito e negligência do governo.

No entanto, acho que o filme poderia ter ido mais longe, já que tinha tudo em suas mãos. No final, quando tem todo o desfecho da história, eu fiquei impressionado e ao mesmo tempo decepcionado. Mesmo assim, Candyman é um dos grandes filmes esquecidos dos anos 90, com um roteiro envolvente e direção acertada!

por Neto Ribeiro

Título Original: Candyman
Ano: 1992
Duração: 99 minutos
Direção: Bernard Rose
Roteiro: Bernard Rose
Elenco: Virginia Madsen, Tony Todd, Xander Berkeley, Kasi Lemmons

Um comentário :

  1. O início é ótimo.Os primeiros 40 minutos..o suspense da investigação ,a construção do mito etc...mas depois que o tal candyman aparece o filme fica meio bobo.Não mantem o ritmo do início.

    ResponderExcluir