16 de outubro de 2015

Crítica: Lenda Urbana 2 (2000)


Continuações de filmes tem uma média de 50% de serem ruim, dependendo claro do filme anterior. Temos ótimas continuações como por exemplo Pânico 2, V/H/S 2, Aliens, entre outras. Mas claro, tem sequências que conseguem ser um desastre total, assim como tem aquelas que não fedem nem cheiram. Lenda Urbana 2 é uma mistura de todas essas.

Lançado no ano em que o mundo foi apresentado a Premonição e a franquia "chegava a um fim" com Pânico 3, o filme tentava conquistar um lugar entre os fãs do terror, tentando estabelecer uma nova franquia de terror. Mas como fazer isso, quando os teen slashers iam pouco a pouco perdendo força nos cinemas, já que basicamente tudo que havia para mostrar já foi mostrado?


Lenda Urbana 2 se passa dois anos após o primeiro filme e tem como cenário uma universidade de cinema (uma ótima escolha do roteiro). Tal universidade tem um prêmio todo ano chamado Prêmio Hitchcock, onde os formandos tem que fazer um filme tese para fechar o curso e o melhor filme ganha o prêmio para financiar um próprio filme em Hollywood. A protagonista é Amy (a ótima Jennifer Morrison, que faz Emma Swan em Once Upon A Time), uma estudante que ainda não tem ideia para fazer seu filme-tese.

Ela então conhece a chefe de segurança, Reese (Loretta Devine), que esteve no primeiro filme. Ela conta que após os assassinatos na universidade do filme anterior, a polícia tentou abafar o caso e ela acabou sendo demitida por que queria levar o caso para a justiça. Ela passou algum tempo procurando emprego, até achar a universidade de cinema. Amy então resolve fazer seu filme sobre um assassino que tem como base lendas urbanas para matar suas vítimas. No meio da produção, um assassino com uma máscara de esgrima começa a matar a equipe do filme, tendo como a vítima principal Amy.


Dá para perceber que o roteiro tentou focar mais no suspense do que nas mortes explícitas. Deve ser essa a razão pela qual as mortes são menos marcantes no filme e procura criar um clima de tensão maior. Por isso, os primeiros 40 minutos do filme é mais parado. Enquanto eu via o filme, eu fiquei pensando o por que demorou tanto para a história decolar.
 
Até por que, o suspense que os roteiristas (no total foram três, que tem em seus currículos filmes como O Exorcismo de Emily Rose e o primeiro filme da franquia) é até sem fundamento. Não é como no primeiro filme, que há pelo menos três assassinatos antes do mistério realmente começar. Para se ter uma ideia, a cena mais gore do filme, que é a do rim, foi feita meses após o fim das filmagens do filme, por que a produtora queria um assassinato nos primeiros 40 minutos.

E acho que esse foi o maior problema do filme, pois dava para fazer um filme de slasher maior do que ele realmente foi. Algumas mortes foram desperdiçadas, como a da loira que atua mal, em que sua morte foi basicamente off-screen, já que quando o vídeo em Super 8 foi exibido, a câmera estava mexendo muito e mal deu para ver nada.


Por outro lado, quando o filme decola, ele tem algumas cenas bem legais, principalmente entre o assassino e Jennifer Morrison, que estava no início de sua carreira. Eu gosto muito dela e a acho bastante talentosa, e dá para ver nas cenas de perseguição. Há uma numa sala de sonoplastia, uma no sistema de encanação da universidade e outra numa mina de um parque de diversões, onde ela gravaria uma cena de seu filme.

No elenco, além de Jennifer Morrison e Loretta Devine, ainda tem Eva Mendes (na época em que ela não fazia filmes com Nicolas Cage), Anthony Anderson (antes de investir nas comédias) e Jessica Cauffiel (que atuaria no ano seguinte no filme Dia do Terror). Mas, além da própria protagonista e de Loretta, apenas Jessica se sobressai, fazendo o papel de uma péssima atriz e que rende boas risadas.
Mas se teve uma coisa que foi problema no filme foi a revelação do assassino. Se você achou a revelação do primeiro decepcionante, você irá achar a desse filme mais broxante ainda. O assassino é tão sem sentido quanto suas motivações, e acho que se não fosse por isso, eu daria nota 6 ao filme. Mas quando você acha que o filme vai acabar com você de cara feia, vem a cena final e traz de volta um personagem do primeiro filme!


Para terminar o post, Lenda Urbana 2 é um filme mediano, que enquanto acerta em alguns quesitos, erra em outros por besteira. Eu ainda recomendo assisti-lo, principalmente se for fazer maratona. Alguns conhecem o terceiro filme da franquia, intitulado Lenda Urbana 3: A Vingança de Mary mas que não tem nenhuma relação com slasher, toma um rumo sobrenatural e é inteiramente ridículo.

Curiosidades....

• A abertura do filme seria filmada num barco. No entanto, enquanto procuravam cenários, os produtores viram um set de avião e decidiu mudar o cenário de abertura.
• O filme seria filmado no campus da Universidade de Western Ontario, mas a administração achou o filme muito violento. Com isso, a produção foi feita na Universidade Trent, em Peterborough, também em Ontario.
• O papel de Vanessa, interpretada por Eva Mendes, seria muito menor. Mas o diretor gostou muito da personagem e fez mais cenas para ela.
• O gelo na banheira na cena do rim foi feito de silicone e era extremamente pesado. Já o rim usado na cena era de uma cabra.
• A última cena filmada na produção foi a de Reese dando uma carona para Amy até a biblioteca. E a tempestade na cena foi totalmente inesperada.
• A torre foi construida para o filme, e as cenas no interior foram filmadas em um set diferente.
• O sino da torre era feito de papel machê.

por Neto Ribeiro


3 comentários :

  1. Ah cara não acredito que não gostou do assassino do primeiro. É o que mais gosto no filme e, até o momento que li essa review achava que todos pensavam igual. Shame on me, rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Anônimo5/10/2017

    AMO ESSE FILME,E UM DOS QUE EU MAIS AMO,E NAO TEM NADA DE ERRADO COM O ASSASSINO DESSE FILME. FOI TUDO TAO PERFEITO...

    ResponderExcluir