3 de fevereiro de 2016

Crítica: Guerra Mundial Z (2013)


O post contém alguns spoilers.

Há alguns anos, obras sobre zumbis ficaram mais comuns do que nunca estiveram antes. Isso começou na época que The Walking Dead era uma verdadeira febre (ainda está fazendo bastante sucesso hoje, mas não como no começo. Em Guerra Mundial Z, ocorre a temática sobre zumbis, mas são diferentes daqueles que estamos acostumados, pois acredite, no filme que será falado aqui, existem zumbis saqueadores de helicópteros.

O longa-metragem possui apenas alguns minutos calmos até toda a ação chegar. Há cenas muito desconcertantes, emocionantes, e os zumbis são muito “carismáticos”. Existe uma cena em particular que choca, quando os mortos-vivos sobem um no outro para atravessar um muro gigante de Israel. É de abrir a boca de qualquer espectador.

Em outro aspecto, Brad Pitt é um grande ator e ninguém pode discordar. Acredito que ele até tenha sido sido uma boa escolha para o papel principal, mas não conseguiu surpreender. Apesar de o filme ser uma mistura de drama com ação e suspense bastante ralo, Pitt não faz nada além de mostrar a todos que está em boa forma aos cinquenta anos de idade.


Por outro lado, quem se mostrou uma ótima atriz foi Daniella Kertesz, interpretando uma soldada que tem a vida salva pelo personagem de Pitt - o homem arranca o braço da moça para que o vírus não se espalhe por todo o corpo - após ser mordida por um zumbi. A sua representação consegue se suportar bem como uma antagonista na segunda parte da narrativa, por isso o destaque.

O que merece ênfase na verdade, são os efeitos especiais inquestionáveis. São todos muito bem trabalhados e apesar de não compuserem aquela destruição em massa das cidades, como filmes hollywoodianos de alto orçamento, são encaixados em cenas bastante impressionantes. Destaque para a cena do muro (falada no primeiro parágrafo), a parte do helicóptero e a do avião.

Indo ao final, a conclusão deixou muito a desejar. O grupo de pessoas finalmente descobre que o escudo para combater o vírus é estar doente, sendo assim, os zumbis não atacam. Prosseguindo, todos os infectados são erradicados e a sociedade tenta se reconstruir vagarosamente. Nós claramente sabemos que não acabou, mesmo com a narrativa tendo um desfecho aberto, já que irá ter uma continuação.

Mesmo com um final bem morno, Guerra Mundial Z é um filme mediano, recheado de ação e adrenalina. Há personagens escassos, tirando alguns casos, e afirmo que em alguns pontos a obra fica razoavelmente enjoada. No final das contas, o longa-metragem pode ser uma diversão momentânea, ainda mais para quem gosta de ação e de zumbis.
por Neto Ribeiro

Título Original: World War Z
Ano: 2013
Duração: 116 minutos
Direção: Marc Forster
Roteiro:  Matt Carnahan, Drew Goddard, Damon Lindelof
Elenco: Brad Pitt, Mireille Enos, Daniella Kertesz, James Badge Dale, Ludi Boeken, Matthew Fox, Ruth Negga

Postar um comentário