26 de junho de 2016

Crítica: Arraste-me Para o Inferno (2009)


Após ser lançado em Hollywood com sua trilogia Evil Dead, o diretor Sam Raimi foi levado a um novo patamar, dirigindo outra trilogia, mas bem diferente da citada. Ele que comandou os primeiros três Homem-Aranha (2002-2007) com Tobey Maguire. Por isso, ele se distanciou cada vez mais do gênero terror, produzindo apenas alguns como O Grito, O Pesadelo e 30 Dias de Noite, mas através de sua produtora Ghost House Pictures.

Foi então com muita expectativa que viria Arraste-me Para o Inferno, um filme que traria o bom filho de volta à casa depois de 9 anos, já que o último filme relacionado ao gênero que Raimi havia dirigido foi O Dom da Premonição (2000).

O que Raimi fez com seu filme de retorno foi o que ele sabe fazer de melhor: um filme de terror divertido cheio de cenas escrotas, humor negro e gore até o talo. Portanto, se você não gosta de filmes nesse estilo, provavelmente vai gritar aos 4 cantos do universo que ele é ruim. Fique à vontade, pois se você criticar Arraste-me, vai estar criticando os Evil Dead também viu...

Isso eu não posso explicar...
O longa começa com um flashback em 1969, onde um casal leva seu filho a uma médium (Adriana Barraza), dizendo que o garoto está amaldiçoando, ouvindo vozes e vendo coisas bizarras, desde que roubou um colar de um cigano. Antes que pudesse fazer algo para salvá-lo, o garoto é arrastado para o inferno por uma força sobrenatural.

40 anos depois, somos apresentados à protagonista, Christine Brown (Alison Lohman). Ela é uma jovem que namora o professor Clay (Justin Long) e trabalha em um banco. Sua vida é "perfeitinha" é tudo que falta é ela ser promovida à gerente assistente, só que ela tem concorrência.

Para impressionar o chefe (David Paymer), ela acaba humilhando uma velha senhora, Ganusha (Lorna Raver), que veio implorar para que o banco não tome a sua casa. Como vingança, a velha joga uma praga em Christine, após uma cena muito louca que envolve uma luta no estacionamento entre as duas. Acreditem, pegue todas as lutas de filmes da Marvel e nenhuma será páreo para Brown X Ganusha, rs.

Shazam, carai!
Após acontecimentos estranhos, Christine resolve visitar um vidente que descobre que a garota tá sendo perseguida pelo capiroto. Para ser mais exato, por um demônio chamado Lâmia, que em três dias, levará Christine Brown para o inferno.

O jeito que o filme se desenrola é tão louco e divertido que você quase não vê os minutos passarem direito. Realmente Raimi resolveu pegar todo aquele clima do Evil Dead 2 e reinventá-lo numa nova história com elementos diferentes mas com a essência semelhante. E quando falo isso, falo de animais "possuídos" (no caso uma cabra) e cenas absurdas (o que falar daquela que Christine engole o punho da Ganusha?).

O que debilita muito o resultado final é o uso exagerado e mal feito do CGI nas cenas mais produzidas. Como são muitas, no início dá até para dar uma perdoada, mas à medida que o filme vai passando e os erros vão se repetindo, com os efeitos ficando piores e piores, dá uma certa incomodada. Teria sido melhor ter usado efeitos práticos em algumas cenas, apesar de que em outras dá para ver que ficaria algo meio tosco.

Final girl?
Outro negócio que irrita é a protagonista, interpretada por Alison Lohman, que tem uma cara de choro antes mesmo de ser marcada pelo Satã e atua bem ruinzinho. Um detalhe interessante que li em algum lugar é que Raimi pediu para que nas cenas de luta entre ela e a sra. Ganusha, as duas atrizes se machucassem um pouco para que ficassem mais reais. O que pode ser bem compreensível já que as cenas das duas geralmente foram cheias de efeitos bizarros, portanto imagino que tenha sido meio difícil filmar tais cenas sem grande parte dos detalhes "ao vivo".

Mas os defeitos que citei (numa opinião própria, claro) podem ser relevados já que o filme te faz rir tanto (e até levar uns sustos em algumas cenas), por isso que a diversão fala mais alto. Para terminar, o final ainda guarda uma sacanagem pra quem assiste e o que sem dúvidas me fez gostar ainda mais dele.

por Neto Ribeiro
Título Original: Drag Me To Hell
Ano: 2009
Duração: 99 minutos
Direção: Sam Raimi
Roteiro: Sam Raimi, Ivan Raimi
Elenco: Alison Lohman, Justin Long, Lorna Raver, Dileep Rao, David Paymer, Adriana Barraza, Bojana Novakovic


2 comentários :

  1. Parabéns ótima crítica, e o final do filme não é nada feliz!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito deste filme... Que final tenso kkkkk

    ResponderExcluir