29 de setembro de 2016

Crítica: Sexta-Feira 13 (2009)


Vamos tocar em assunto delicado aqui: remakes. Já fiz críticas de vários do tipo aqui no blog e todos tem algo em comum, que é a desconfiança do público. O que era pra ser uma homenagem se transforma em afronta para os fãs apaixonados dos intocáveis clássicos das décadas anteriores. Isso por que muita gente encara as refilmagens como uma tentativa de sabotar o filme original - o que quero deixar claro, não é.

Um remake deveria ser uma repaginação da história para deixá-la mais acessível ao público atual, uma modernização - e claro, uma nova maneira de lucrar em cima do nome, isso não podemos negar. Se um remake consegue apresentar uma nova história mantendo a essência da anterior, eu o considero um sucesso. A Morte do Demônio (2013), O Massacre da Serra Elétrica (2003), Horror em Amityville (2005) são exemplos disso.

Quando eles resolvem ir por um novo caminho, mudando a direção da história, algumas vezes pode dar certo. Temos O Enigma de Outro Mundo (1982) e A Casa de Cera (2005) são exemplos. Assim também como acabar desastradamente como o pífio Martyrs (2016).


Onde eu quero chegar com esses três parágrafos falando sobre refilmagens é o seguinte: Como é que os fãs conseguem odiar um remake que bate no liquidificador todos os maiores detalhes de uma franquia, formada por mais de 10 filmes (e adorada pelas massas), num filme que é melhor do que grande parte do resto da franquia?
Não, o remake de S13 não é ruim. É um filme que faz direito o que lhe foi dado. Se você discorda disso e está revoltado, esteja convidado a fechar a janela e não ler o resto do artigo.

Se você chegou a ler minha crítica de Sexta-Feira 13: Parte 3 (1982), deve ter o conhecimento que, no geral, a franquia do Jogador de Hóquei não é uma das minhas favoritas, mas tem seus pontos altos. Gosto dos três primeiros, Freddy vs Jason (2003) e esse remake. O resto, tanto faz como tanto fez. Depois de 10 filmes e um crossover com A Hora do Pesadelo, os filmes já tinham triturado e remoído tudo da história, fazendo até filmes no espaço (Jason X, 2001).


O remake chegou no auge deles e o diretor contratado foi o caprichoso Marcus Snipel, responsável pela refilmagem de O Massacre da Serra Elétrica em 2003, um dos meus remakes preferidos. Aqui o cara faz um bom trabalho, a partir de um roteiro que tenta seguir a fórmula dos filmes apresentando o máximo de nostalgia aos mais aficionados do Jason.

Pra começo de ideia, temos a ótima abertura que serve como um resumão dos dois primeiros filmes da franquia, onde vemos um breve flashback da morte de Pamela Voorhees e somos apresentados a um grupo de jovens atacados pelo Jason ainda usando um saco na cabeça (S13: Parte 2). Depois disso conhecemos o verdadeiro grupo que protagonizará o filme.

Daí em diante, temos uma mistureba - bem feita - de toda a franquia. Os amigos vão para uma casa no meio da floresta e acabam sendo perseguidos por Jason. O detalhe mais diferente é a presença do protagonista Clay (Jared Padalecki, Supernatural) que está procurando sua irmã desaparecida. Ela era uma das jovens da abertura e sabemos que está sendo mantida refém por Jason - ainda que seja algo meio estranho, já que o personagem nunca fez algo do tipo.


As mortes são bem feitas e na maioria bem violentas - abandonando o aspecto tosco que a série adquiriu nos últimos filmes.

O filme em si não traz muita coisa nova, além do Jason sequestrador e de uma série de tuneis subterrâneos que explicam como ele aparece em qualquer lugar, rs. Ou seja, foi um filme que desde o princípio soube qual era a sua própria proposta. Não era reimaginar o filme de 1980 nem criar uma história totalmente nova, mas sim reviver Jason em seu melhor, do jeito que os fãs sempre gostaram.

Mas desconsiderando os contras que falei acima - e os clichês se você for um daqueles chatos, rs -, o remake consegue se manter na média por que ele trouxe o melhor dos filmes antigos para uma única produção. Teve muito sexo, muito sangue, mortes criativas e Jason em uma ótima forma. Não tem do que se reclamar, se for fã dos filmes.

por Neto Ribeiro

Título Original: Friday the 13th
Ano: 2009
Duração: 97 minutos
Direção: Marcus Snipel
Roteiro: Damian Shannon, Mark Swift
Elenco: Jared Padalecki, Danielle Panabaker, Aaron Yoo, Amanda Righetti, Travis Van Winkle, Derek Mears



Description: Rating: 3 out of 5

Um comentário :

  1. Também não entendo como alguém não gosta desse maravilhoso remake, afinal, remakes como Evil Dead, Carrie, A Nightmare On Elm Street, e, infelizmente tenho que dizer isso, Halloween II (2009). Toda a nostalgia, toda a excelente mistureba foi posta ali, agora com mai sangue e violência. Reviewer, você assistiu à versão KILLER CUT com quase 15 minutos a mais? Ela é ainda melhor, mais detalhada, mais sanguinolenta que a original. Aliás, o mesmo pode-se dizer de Halloween II (2009) na sua UNRATED VERSION com 2h, violência extrema, gore. Meus parabéns a você por escrever essa excelente review.

    ResponderExcluir