23 de setembro de 2016

Crítica: Acampamento do Terror (2016)


Summer Camp (Acampamento do Terror) é uma produção hispano-americana que estava engavetada há 2 anos e teve um lançamento limitado nos cinemas dos EUA, chegando principalmente em VOD (aluguel online). Ele foi dirigido pelo Alberto Marini, escritor do ótimo suspense espanhol Enquanto Você Dorme (2011).

A história acompanha 3 jovens americanos que se inscrevem para serem monitores num acampamento na Espanha. Eles são Will (Diego Boneta, Scream Queens), Christy (Jocelin Donahue, A Casa do Diabo) e Michelle (Maiara Walsh, série Zombieland).  Lá, eles tem o Antonio (Andrés Velencoso), um cara local que já trabalha anualmente no acampamento. O lugar lá não é como um daqueles acampamentos americanos. Na verdade é um composto cercado de floresta, sem um lago, por exemplo.


Tudo parece estar bem e pronto para a chegada das crianças no dia seguinte, mas um deles enlouquece sob influencia de uma doença que havia atingido os cachorros mais cedo. Tal doença faz com que as pessoas fiquem violentas e homicidas. O curioso é que ela tem efeito temporário e some do hospedeiro horas depois da infecção, deixando-o sem lembranças do que ocorreu naquele período de tempo. No entanto, a pessoa pode voltar a pegá-la caso entre em contato com o elemento que a desencadeia - que é um dos mistérios do filme, já que nenhum dos personagens sabe o que ocasiona aquilo.

De início, o filme parece bem ruim, não vou mentir. Parece que você está prestes a ver uma sequência de coisas clichês. É um filme de infecção, não tem como não ser previsível, certo? Bom, Summer Camp é um pouco previsível, mas sabe pegar alguns caminhos inesperados para completar a história. Não é nada extraordinário mas faz um pouco de diferença no resultado final.

Aliás, o filme em si não é nada extraordinário mas é bem divertido, visse? Uma vez que ele começa, não pisa no freio. É uma de suas principais características. Tem ação toda hora e o jogo de câmera influencia no clima frenético que o filme. Sabe aquelas cenas loucas de REC (2007)? É como se estendesse elas para completar um filme inteiro.


Esse clima frenético pode ser um problema quando não parece haver muita preocupação em desenvolver os personagens. E a inconstante troca infectado-não infectado-infectado atrapalha também. No início é meio interessante por que não é algo que você pensasse que aconteceria, mas depois de um tempinho, começa a ficar bem repetitivo e o filme anda em círculos.

Mas no final das contas, Summer Camp consegue ser bem satisfatório caso você não assista esperando uma obra prima. É um filme bem feito, sem ter a intenção de ser nada além disso.
por Neto Ribeiro

Título Original: Summer Camp
Ano: 2016
Duração: 81 minutos
Direção: Alberto Marini
Roteiro: Alberto Marini, Danielle Schleif
Elenco: Diego Boneta, Maiara Walsh, Jocelin Donahue, Andrés Velencoso




Description: Rating: 3 out of 5

Postar um comentário