3 de outubro de 2016

Crítica: Creep (2014)


Ainda há esperança pro subgênero Found Footage! Depois de uma enxurrada de produções descartáveis em primeira pessoa e filmes enlatados de grandes estúdios, como "A Forca", as sequências de "Atividade Paranormal" e até o recente "Bruxa de Bleh", tive a chance de conferir a produção independente "Creep", que está no catálogo do Netflix há quase um ano e certamente passou batida por muita gente, exatamente por não ser um filme comercial. Não ganhou exibição nos cinemas e só foi exibido em um festival americano, onde teve uma boa recepção de público e crítica. Atualmente o filme tem 96% de aprovação no Rotten Tomatoes e 64% de aprovação do público. 

O filme tem direção de Patrick Price, e roteiro dele em conjunto com Mark Duplass. A dupla além de escrever o roteiro e produzir o longa, também são os dois atores principais (algo visto anteriormente no competente Found Footage "Infectado" da dupla Derek Lee e Cliff Prowse). O filme marca também a estreia de Price na direção de seu primeiro longa-metragem, tendo mais dois pela frente: The Overnight e a continuação Creep 2 que foi confirmada esse ano e já está em produção, com estreia marcada para o segundo semestre de 2017.


"Creep" acompanha Aaron (Patrick Price), que devido a problemas financeiros, decide aceitar pequenos trabalhos como cinegrafista. Em busca de dinheiro, ele decide responder a um anúncio referente a filmagem em uma casa nas montanhas. O cliente em questão é Josef (Mark Duplass), um sujeito excêntrico que logo informa que tem pouco tempo de vida devido a um câncer no cérebro e quer registrar seus últimos momentos para o filho que está para nascer. Aaron decide aceitar a grana e gravar Josef por dois dias. Não tarda muito pra ele notar que tem algo muito errado com Josef!

Se eu tivesse que resumir o filme seria: "Simples, direto e eficiente". A simplicidade do filme é um dos maiores acertos da produção, a trama é básica, o jeito que se desenvolve é sutil e eficiente e o final é impactante. Quantas produções nessa linha nos vimos nesses últimos anos? Não lembro de nenhum Found Footage nos últimos 5 anos que tenha sido tão eficiente quanto Creep na construção de tensão. 


Não há conveniências do gênero como tremedeira, câmera dando pau, ou falsos jumpscares de alguém pulando em frente a câmera com aumento de som em momentos chave. Aqui, a narrativa é o ponto central na construção de suspense e tensão com o mistério em volta de Josef, personagem interpretado de forma sensacional por Mark Duplass, que varia entre simpático, engraçado, estranho e assustador. Patrick Price que se divide em 3, como ator, cinegrafista e diretor também manda bem no papel e nas outras duas funções.

Creep é sem duvidas, um dos filmes mais eficientes do subgênero. Simples, direto e eficiente. Continua no catálogo do Netflix. Aproveitem!

por Marcelo Alves

Título Original: Creep
Ano: 2014
Duração: 78 minutos
Direção: Patrick Price
Roteiro: Mark Duplass, Patrick Brice
Elenco: Mark Duplass, Patrick Brice



Description: Rating: 4 out of 5

Um comentário :

  1. Assisti ao filme por causa da crítica de vocês. E valeu muito a pena. Você nem vê o tempo passar, realmente a dinâmica do filme é muito boa. É prazeroso ver que ainda se fazem filmes fora dos clichês. Abraços

    ResponderExcluir