14 de outubro de 2016

Crítica: Laid to Rest (2009)


Uma mulher acorda dentro de um caixão, em uma funerária. Ao conseguir sair dele, ela testemunha o dono da funerária ser assassinado por um cara mascarado que parece estar filmando tudo. Assim começa Laid to Rest, filme independente de 2009 que pode parecer fraco a princípio, mas para quem curte slashers é uma ótima pedida.

Depois que sai da funerária, a moça é salva por Tucker (Kevin Gage) que a leva pra sua casa. Ela não lembra de nada, não sabe quem é nem como foi parar ali, mas é chamada de "Princesa" pelo assassino através de mensagens - e tenta achar respostas enquanto é perseguida pelo cara, que recebe o apelido de "ChromeSkull" (Caveira Cromada). Qualquer pessoa que tenta ajudá-la ou cruza o seu caminho acaba morrendo de maneiras bem violentas, o que presenteia várias mortes sangrentas ao filme.


Ainda que tenha atuações médias, a película consegue trabalhar bem sua história. A protagonista (Bobbie Sue Luther) é carismática apesar de não demonstrar muito êxito na atuação. O mocinho interpretado por Kevin Gage também é carismático como o cara durão mas legal e cria até mais simpatia do que a própria protagonista. O resto do elenco só aparece para morrer e não há muitos destaques. Alguns rostos conhecidos como o Thomas Dekker (A Hora do Pesadelo), Johnathon Schaech (A Morte Convida Para Dançar) e até a Lena Headey, que anos depois viria a interpretar a Rainha Cersei em Game of Thrones!

As mortes - já falei que são muitas? - são facilitadas pela burrice dos personagens. Se você pretende assistir Laid to Rest querendo muita lógica or something like that, vai só passar raiva. Então, como um clássico slasher nos moldes de Sexta-Feira 13, os personagens tem inteligência quase inexistente. Mas cheguei a me perguntar - porra ele matou basicamente a cidade inteira! 


Brincadeiras à parte... Os efeitos são completamente práticos, o que realmente traz um pouco de orgulho para os fãs de terror, já que ultimamente só vemos CGI aos berros, sangue falso, etc. No entanto, tais efeitos práticos podem parecer um pouco amadores em certas cenas, mas nada que não dê pra relevar. Aliás, o filme entrega bastante violência, sangue e gore. Então se você gosta de algo bem feitinho nesses aspectos, Laid to Rest é uma opção.

Já que ultimamente não vemos mais slashers com a mesma frequência que há 15 anos atrás - e principalmente se você é um fã do subgênero, Laid to Rest irá te agradar. É um filme que entrega mais do que promete e no meu caso, acabei me surpreendendo. Dê uma chance pro Cara Cromada e vá conferí-lo.

PS: Existe uma sequência chamada ChromeSkull: Laid to Rest 2 lançada em 2011 que ainda não assisti, mas assim que eu fizê-lo, irei comentar aqui no blog.
por Neto Ribeiro

Título Original: Laid to Rest
Ano: 2009
Duração: 90 minutos
Direção: Robert Green Hall
Roteiro:  Robert Green Hall
Elenco: Bobbi Sue Luther, Kevin Gage, Sean Whalen, Johnathon Schaech, Thomas Dekker, Nick Principe, Richard Lynch, Lena Headey

Postar um comentário