25 de outubro de 2016

Crítica: Perseguição - A Estrada da Morte (2001)


Lembro-me muito bem de quando vi Perseguição pela primeira vez, numa sessão do Intercine - aquele programa da Globo que passava nas madrugadas onde havia uma votação entre dois filmes. Você ligava e votava em que filme você queria que fosse exibido. O que recebesse mais votos, passava. Apesar de não lembrar de muitos detalhes (apenas algumas cenas), sempre tive um grande carinho.

Após preparar uma lista para o blog, resolvi rever esse suspense, roteirizado pelo J. J. Abrams lá em 2001. A história acompanha dois irmãos e uma amiga que acabam sendo perseguidos por um maníaco em uma viagem de volta para casa nas férias da faculdade. Ainda que beba da fonte de outros filmes road horror como Encurralado (1971) ou A Morte Pede Carona (1986), Perseguição se sai bem entregando seu próprio material com detalhes novos e um roteiro bem conduzido.


O elenco é formado pelo falecido Paul Walker (Velozes e Furiosos) e Steven Zahn (A Trilha) nos papéis de Lewis e Fuller. O primeiro está na faculdade e faz planos de voltar para casa, dando carona para Venna (Leelee Sobieski, A Casa de Vidro), uma garota que ele conhece desde pequeno e pela qual está apaixonado. Antes de pegá-la ele tem que tirar Fuller da cadeia, após o mesmo ter sido preso por uma confusão enquanto estava bêbado.

No caminho, os dois arranjam um rádio, no qual aplicam trotes em caminhoneiros. Um deles é vitimizado por Pirulito, uma mulher falsa personificada por Lewis. Para tentar zoar mais com a cara de Rusty Nail (voz de Ted Levine, O Silêncio dos Inocentes), eles o leva até um hotel dando o número do quarto errado.

No dia seguinte, os irmãos descobrem que o cara que estava no quarto indicado foi encontrado brutalmente violentado na estrada. Assustados, eles começam a ser perseguidos pelo Rusty Nail, chegando quase a serem mortos num embate numa estrada deserta. Depois de terem aparentemente se resolvido com o cara, eles conseguem chegar até Venna - mas resolvem não contar a ela sobre o que aconteceu. É quando Rusty Nail retorna a atormentá-los, levando o jogo a um nível mais perigoso.


Como falei, Perseguição não traz uma abordagem 100% original e se você está vendo o filme pela primeira vez hoje, irá ver que muitos filmes lançados após 2001 também tomam algumas ideias dele. Mas o mais legal dele é a dinâmica da história. Ela não toma caminhos muito convencionais e cheios de clichês, então começamos por aí.

Depois, a estrutura dela é diferente do esperado. Ainda que, tudo bem, poderiam ter investido um pouco mais no suspense no meio da história, mas é até interessante como o filme começa num ritmo, para, se dá um novo início e depois recomeça tudo. É bacana acompanhar esse esquema por que as brincadeiras do Rusty Nail vão se intensificando à medida do avanço da história. Algumas parecem bobas (os irmãos entrarem pelados numa lanchonete) enquanto outras são bem legais (a cena do milharal).

Uma escolha certa do roteiro foi manter a identidade do Rusty Nail sempre escondida. O que conhecíamos dele era apenas a voz e seu caminhão intimidador sempre correndo atrás dos protagonistas. Temos um breve vislumbre do cara no fim, mas nada muito explícito. Creio que esse mistério fez um bem para o suspense da história. 


Perseguição já rendeu duas sequências lançadas diretamente em DVD. Apesar de não ter sido um grande sucesso de bilheteria, a primeira sequência foi produzida pela Fox após a mesma ter sucesso com Floresta do Mal (2007), continuação de Pânico na Floresta (2003), que foi lançado em DVD e vendeu bastante. Perseguição 2: O Resgate (2008) não tem a mesma qualidade do primeiro mas ainda é divertido em alguns pontos. Perseguição 3 (2014) não parece ser nenhum um pouco bom, foi dirigido pelo péssimo Declan O'Brien (diretor dos horríveis Pânico na Floresta 3, 4 e 5) e já falei que parece ser nenhum um pouco bom?

por Neto Ribeiro

Título Original: Joy Ride
Ano: 2001
Duração: 96 minutos
Direção: John Dahl
Roteiro: J. J. Abrams, Clay Tarver
Elenco: Paul Walker, Steve Zahn, Leelee Sobieski, Jim Beaver, Jessica Bowman, Ted Levine

Postar um comentário