3 de junho de 2017

Crítica: Amityville - Death House (2015)

Seria melhor ter ido ver o filme do Pelé.

Amityville é uma franquia interessante de ser analisada, ela está descansando, mas o seu legado continua vivo em torno de filmes independentes e de baixíssimo orçamento. O nome 'Amityville' não é patenteado, ou seja, qualquer pessoa pode criar um filme com tal título, e isso, além de poluir a franquia, ofusca os filmes bons com a enxurrada de porcarias que nem deviam ter saído do papel. O resultado disso é uma saga onde se tem mais filme ruins do que bons.   

Entrando na lista do décimo terceiro filme de 'Amityville'. Dirigido por Satanás Mark Polonia da qual uma de suas principais características é encher o filme de diálogos inúteis e sem acréscimo algum à história principal,  Polonia já fez vários curtas, filmes independentes e trabalhos para filmes da Syfy, inclusive o Mark fez outro filme sobre Amityville mais para frente, intitulado de 'Amityville: Exorcism', a vigésima parte da franquia. No elenco temos: Kyrsten St. Pierre, Michael Merchant, Cassandra Hayes e Houston Baker. Todos eles já fizeram alguns pequenas trabalhos em filmes B... Mas, isso não ajuda em nada o Death House. Temos também a ilustre participação de Eric Roberts (Como está escrito na capa do poster), para quem não sabe, Roberts se envolveu com muitos trabalhos, é a personalidade de maior peso aqui, ele fez: "Sangue de Guerra" (1989); "Spawn - O Soldado do Inferno" (1999); "Batman - O Cavaleiro das Trevas" (2008); "Centopeia Humana 3" (2015)... E por aí vai. 

Na história, quando Tiffany e seus amigos chegam na cidade de Amityville para verificar como a sua avó doente está, eles descobrem que o espírito de uma bruxa de Salem antiga possui a casa velha e encontram o livro dos mortos. Um a um, a maldição destrói os descendentes daqueles que a condenaram à morte há mais de 300 anos, possuindo finalmente os corpos dos inocentes e transformando-os em horríveis criaturas de destruição. Vocês devem estar pensando "Mas o que essa merda tem a ver com a história de Amityville?"... Pois é meus queridos leitores, por mais absurdo que pareça, existe sim uma conexão com os filmes passados, mais precisamente com 'Amityville 2 A Possessão'. Em um determinado momento do filme de 1982, o padre Adamsky e uma moradora de Ocean Avenue vão até uma biblioteca pesquisar a respeito da casa, lá a senhora diz ao padre o seguinte:

"Eu trabalho aqui há 25 anos, Padre... No inicio eu achei que seria besteira, mas estes registros são mais interessantes do que qualquer romance. Uma mulher foi expulsa de Salem por violar com bruxaria as leis dos índios contra a construção em um cemitério antigo. E desde então, tem sido profanado por pessoas que não tem o direito de morar lá. ".  

Perceberam algo de diferente na casa?
Essa questão do cemitério indígena que ficava no local onde atualmente está a casa, foi o suficiente para tirarem uma história daí, já a parte do livro dos mortos é pura lorota do diretor tirada cuspidamente do filme 'The Evil Dead' em querer dar uma justificada para os eventos que se sucedem na trama. No entanto, isso não significa, de forma alguma, que o filme é um sequência direta ou algo do tipo. Ainda sim, é um filme independente, muito ruim e totalmente desnecessário. De modo pessoal, é um dos piores filmes que já vi, mesmo tentando manter um eixo de ligação com os filmes passados, eles mudam várias coisas na história, entre elas, o fato de que a casa não fica mais em Long Island, mas sim no Canadá.

A maldição, desta vez, não se limita ao local onde eles ficam, o "mal" também é capaz de agir fora da casa, aliás, ele tem muitas cenas fora da residência, as cenas dentro da casa são altamente deprimentes. Na verdade, trata-se de uma mulher que anda por aí matando as pessoas com impunidade no plano fantasmagórico. Na trilha sonora, o filme conta com barulhos e gemidos constantes, algo que chega ao ridículo. Tipo, numa cena o xerife está sentado e de repente, uma cara com um gemido aparece na tela e vamos para outra cena. Em alguns momentos aleatórios, temos algumas cenas de flashbacks da época da bruxa de Salem, em tom de sépia, as cenas tentam agregar mais a história, mas é tudo medíocre e desinteressantes.  

Pelo trailer você pode ter uma noção da ruindade que é o filme, atuações péssimas ao extremo com
uma maquiagem que mais parece uma brincadeira de crianças do jardim de infância, efeitos produzidos por hacks, edições feitas sem nenhum cuidado, parece que usaram o vídeo de um celular para filmar as cenas, é tudo muito escuro e não dá para ver muita coisa, a trilha sonora é totalmente ante climática . Talvez, a única cena ruim, mas "interessante", envolve a transformação de uma mulher em uma aranha, ou quase isso, mas vale dizer que a cena não assusta e nem causa suspense.  

Eric Roberts está no filme, mas ele não aparece já que ele se esconde atrás de uma máscara o tempo todo, não chega nem perto de desempenhar um papel importante que possa justificar seu nome no poster a não ser para atrair olhares curiosos e de fãs. As únicas justificativas plausíveis para ele estar nesse longa é que ele tinha uma promessa para pagar ou é muito, mas muito amigo do diretor. 

Suposta aparição de Eric Roberts.

No fim das contas, Amityville Death House, é uma perda de tempo imensurável, não vale a pena assisti-lo, e mesmo esse filme sendo ruim como ele é, ainda chega a ser melhor que o seu sucessor 'Amityville: Playhouse'. Ver qualquer um desses dois filmes vai fazer você ficar encolhido em posição fetal no seu quarto escuro, ver os dois filmes em seguida significa que você, ou é masoquista, ou está jogando a Baleia Azul. O recomendado mesmo é voltar a ver os primeiros capítulos da franquia porque esses sim valem a pena. Acredite se quiser, mas esse não é o pior trabalho de Mark Polonia, tem muita coisa ruim produzida por ele mundo afora. Nota: 0,25 (Arredondando para 0).

PS: Até agora ninguém sabe quem são as mulheres da capa porque no filme elas não estão.   
 


Diretor: Mark Polonia.

Roteiro: John Oak Dalton.

Elenco: Eric Roberts; Kyrsten St. Pierre; Michael Merchant; Cassandra Hayes; Houston Baker; Ken Van Sant; Danielle Donahue; Steve Diasparra; Kathryn Sue Young; Jeff Kirkendall; Yolie Canales; Austin Dragovich; Todd Carpenter.

Sinopse: Quando Tiffany e seus amigos chegam na cidade de Amityville para verificar sua avó em dificuldade, eles descobrem que o espírito de uma antiga bruxa possui a antiga casa .Um a um, a maldição do demônio, habilitada pelo Senhor das Trevas (Eric Roberts), destrói os descendentes daqueles que condenaram o seu servo até a morte há mais de 300 anos, possuindo os corpos dos inocentes e transformando-os em terríveis criaturas de destruição.


Por: Michael Kaleel.

Postar um comentário