21 de junho de 2017

Crítica: Premonição 5 (2011)


Após quatro filmes, todos sucessos de bilheteria, a franquia Premonição parecia ter chegado a um impasse. O último exemplar lançado, o 4º, tinha sido o pior até o momento, um filme vazio sem uma história divertida e muito atraente. O diferencial tinha sido o uso dos efeitos 3D, o primeiro da franquia a receber esse tratamento. O próximo filme, garantidí$$imo, teria que inovar de certa maneira ou iria cansar o público de vez.

Em 2011 foi lançado o Premonição 5, sob direção de Steven Quale, que havia trabalhado como diretor assistente com James Cameron em alguns projetos mas nunca tinha comandado um filme inteiro sozinho. Aqui, Quale não faz feio e cria um filme bem superior ao anterior e embora não seja excelente, conseguiu fechar bem a franquia, já que ele é o último Premonição até o momento.


Seguindo a fórmula estabelecida, o filme se inicia com o típico mega acidente cheio de mortes que marcaram os anteriores. O primeiro ocorria num avião, o segundo numa estrada, o terceiro numa montanha-russa e o quarto num autódromo. O quinto reservou nada menos que uma ponte! Nossos personagens fazem parte de uma empresa, onde alguns funcionários irão participar de um retiro a negócios. No caminho, o ônibus que eles estão passam por uma ponte. O nosso protagonista, o Sam (Nicholas D'Agosto, Gotham) é quem tem a infame premonição, prevendo um acidente desastroso na ponte, matando quase todos exceto por sua namorada Molly (Emma Bell, Pânico na Neve).

A cena é majestosa, os efeitos especiais são incríveis e ainda de quebra é a maior cena de abertura da franquia, tendo quase cinco minutos de duração. Pra quem assistiu ou assiste em 3D, ainda é mais gratificante pois tem vários destaques bacanas.

Quando retorna à seus sentidos, Sam convence todos a saírem do ônibus e fugirem antes do dito acidente, que acontece minutos após o momento. Depois, eles são interrogados pela polícia, que acreditam que o desastre foi consequência de um ataque terrorista ou algo do tipo, achando que Sam pode estar envolvido, já que ele previu o acidente.


Começa então as mortes dos que foram salvos por Sam no acidente. A primeira vítima é Candice (Ellen Wroe), uma estagiária e namorada de Peter (Miles Fisher), melhor amigo de Sam. A moça é ginasta e durante um dos treinos, um acidente acontece e ela morre quebrando brutalmente sua coluna. A morte dela afeta bastante Peter, virando um dos fatores para suas atitudes ao longo do filme.

O próximo a ir é Isaac, o pervertido da empresa, que rouba um ticket da falecida para ir a uma sessão de acupuntura e após um incêndio, tem sua cabeça esmagada por uma estátua. Aqui os personagens percebem que há um padrão e que eles são os próximos. Quem aparece aqui é Bludworth (Tony Todd, Candyman), o funerário que apareceu nos dois primeiros filmes e que parece saber bastante sobre os esquemas da morte. Ele fala para os personagens que para salvar a própria vida, eles tem que matar alguém que não era para morrer no acidente da ponte. Peter já paranoico, começa a considerar fazer tal coisa, mas o mesmo ainda não sabe que Molly sobreviveria ao acidente.


A terceira vítima é Olivia, a bonitona do escritório, que ao fazer uma cirurgia de correção de miopia, tem seu olho queimado pelo laser, quando o doutor se distraiu procurando arquivos. A moça escorrega e cai pela janela do edifício, no exato momento em que Sam e Molly chegava para tentar avisá-la.

Um dos detalhes interessantes do roteiro é que a partir daqui, o filme se torna num suspense bem bacana, já que Peter quer a todo custo sobreviver e há até uma cena onde um personagem mata outro acidentalmente e aparentemente se salva. É um aspecto interessante que é bem abordado.

Outro detalhe mais do que interessante, basicamente a cereja no topo do bolo, é o final. O roteiro de Eric Heisserer (O Enigma de Outro Mundo, A Chegada) sabe disfarçar muito bem suas intenções. Após todos os eventos, restam três sobreviventes: Sam, Molly e Nathan (Arlen Escarpeta, Sexta-Feira 13). Peter havia matado um detetive e Sam havia matado Peter, portanto pegando sua "vida". Nathan acidentalmente matou um colega de trabalho, se salvando.


Duas semanas depois, Sam e Molly vão viajar para Paris, pois Sam havia conseguido um trabalho num restaurante francês. É aqui que está a reviravolta: O filme se passa antes do primeiro Premonição e o avião que o casal está é o mesmo que Alex e seus amigos estavam no filme de 2000. Eles reaparecem aqui, sendo retirados do veículo após Alex ter a premonição que o avião explodiria. Então, minutos depois, o avião explode matando Sam e Molly. Coincidentemente, uma turbina do avião cai exatamente onde Nathan estava, quando ele descobre que o tal colega de trabalho tinha uma aneurisma e morreria a qualquer dia! Uau!

O filme amarra direitinho toda a franquia e deu um final (ou seria começo?) digno para a série, que estava arquejando. O que faz de Premonição 5 um bom filme é que ele deixa o jeito bobo de lado que o quarto filme investiu tanto e trás de volta o suspense para a história. Ainda tem coisas repetitivas? Sim, mas são regras pré-estabelecidas e pra quem é fã, é um prato cheio, um filme divertidíssimo com mortes criativas e uma reviravolta que ninguém esperava!

Menções ao número 180:

- O vídeo exibido no ônibus fala sobre uma empresa chamada "180 Consultoria Corporativa".

Curiosidades:

- Os filmes anteriores foram lançados com espaço de 3 anos (2000 - 2003 - 2006 - 2009). Este teve apenas 2 anos.

- É o terceiro filme a ter um homem como o personagem que tem premonições.

- Haveria uma cena de morte num parque aquático mas foi rejeitada pelos produtores.

- O acidente da ponte foi baseado num acidente real ocorrido na Ponte Tacoma Narrows em 07/09/1940.

- Há uma cena que referencia os acidentes dos outros filmes. Quando Nathan traz cerveja para o escritório, pode-se ver atrás de Sam um modelo de avião, um caminhão e um carro de corrida (1, 2 e 4). A foto que Olivia quebra em sua mesa é da mesma montanha-russa do terceiro filme.

- O ator Miles Fisher (Peter) também é cantor e na época lançou um divertido clipe chamado "New Romance", estrelado pelo elenco do filme. O clipe tem uma estética de comédia de TV dos anos 90 e traz os personagens morrendo em mortes violentas também! Você pode ver aqui

- Alguns personagens são nomeados em homenagens a famosos diretores de terror: Peter Friedkin vem de William Friedkin (O Exorcista); Candice Hooper vem de Tobe Hooper (O Massacre da Serra Elétrica) e Olivia Castle vem de William Castle (Força Diabólica).

- O bilhete de voo de Sam mostra a data 13 de Maio de 2000, revelando a reviravolta.

- Quando Isaac rouba o cupom de desconto da mesa dos colegas mortos no acidente, a data de validade dele é 30 de Junho de 2001.

- O acidente da ponte foi baseado num acidente real ocorrido na Ponte Tacoma Narrows em 07/09/1940.
por Neto Ribeiro

Título Original: Final Destination 5
Ano: 2011
Duração: 92 minutos
Direção: Steven Quale
Roteiro: Eric Heisserer
Elenco: Nicholas D'Agosto, Emma Bell, Miles Fisher, Arlen Escarpeta, David Koechner, Tony Todd

5 comentários :

  1. Amo muito o blog, sempre acompanho as criticas

    ResponderExcluir
  2. Eu sou uma fã da franquia Premonição e quando vi o quinto filme eu gostei muito, ao contrario do quarto e até mesmo o terceiro mas o quarto sendo o pior de todos, sendo assim 1,2 e 5 sendo os melhores.
    Destaque para os efeitos que nesse filme ficou sensacional, a cena inicial ficou bem bacana.
    Bacana ler essa review e ver as curiosidades, acompanho o blog a pouco tempo por causa de um perfil de um sujeito aleatório que eu vi no filmow falando que escrevia aqui. <3

    Obrigada a todos por esse blog e suas contribuições.

    E seguimos acompanhando todas as noticias e dicas aqui.

    ResponderExcluir
  3. Kkkkkkk Cara muito bom, chorei de rir com o clipe da música.

    ResponderExcluir