31 de julho de 2017

Crítica: Jogos Mortais 4 (2007)


É uma armadilha.

Alguém ainda tem dúvidas de que Jogos Mortais deveria ter sido finalizado no terceiro filme? Para uma trilogia, não faria feio pois os três primeiros são de longe, os melhores da franquia. Mas tava dando dinheiro para a Lionsgate e eles claramente não iriam largar o osso tão facilmente. Iniciou-se então uma tradição onde todo Outubro (mês de Halloween), um novo filme seria lançado. O quarto capítulo se encaminhou em iniciar uma nova trilogia sem qualidade e sem emoção, já que muita coisa tinha que ser criada pra encher linguiça de uma história já fechada.

Este filme se passa simultaneamente com Jogos Mortais 3 (2006), com exceção da cena de abertura onde é feita a autópsia do corpo de Jigsaw (Tobin Bell). A história se inicia com os policiais encontrando o corpo da Detetive Kerry (Dina Meyer), morta no filme anterior. Isso faz com que o Tenente Riggs (Lyriq Bent) se sinta culpado por não conseguir salvar mais um de seus colegas. Acontece que ele é o próximo a se envolver em um jogo, quando o Detetive Hoffman (Costas Mandylor) é sequestrado e é descoberto que o Detetive Matthews (Donnie Wahlberg) ainda está vivo. Porém, Riggs só tem uma hora para achá-los ou ambos estarão mortos em 60 minutos.

Não sei se o que eu tenho pra falar conseguirá atingir o tamanho de uma crítica por que não há muito o que falar. Esse filme é incrivelmente esquecível e nada marcante, o resultado de um projeto corrido e feito às pressas pra ser lançado imediatamente após o anterior. A história da franquia ao todo se passa em um espaço de tempo relativamente pequeno (embora não pareça), o que faz com que muitas coisas soem corridas. Aqui é exatamente o acontece. 


Considero as armadilhas deste aqui as piores da franquia, por serem completamente esquecíveis. Elas são fracas e por consequência, faz com que o filme seja um dos piores da série. Isso por que, a partir desse, o principal apelo que ela tinha para com o público era suas armadilhas e quando nem isso consegue fazer efetivamente, claramente há um problema. Embora a arquitetura das mesmas não chame atenção, os efeitos sanguinolentos ainda são fortes, ainda que haja o claro uso de CGI até mesmo no derramamento de sangue.

Para ser honesto, o único ponto forte deste capítulo é realmente sua reviravolta, que marcou uma nova parte na série, revelando mais um de seus vilões. Embora não tenha o mesmo efeito atualmente, é necessário considerar.

O roteiro, assinado pelos novatos na franquia Patrick Melton e Marcus Dunstan (O Colecionador de Corpos) e que seguiriam até o sétimo, não faz feio por conseguir ainda descer algumas mirabolâncias na goela do público, ao criar uma nova parte da história sem desconectá-la dos eventos anteriores. Aqui eles exploram mais o passado do John Kramer, excelentemente interpretado pelo Tobin Bell através de flashbacks, onde mostra como ele perdeu seu filho com a então esposa Jill (Betsy Russell, péssima). Também há a apresentação de um novo protagonista, o Agente Strahm (Scott Patterson) e sua parceira Lindsey (Athena Karkanis), que ajudam a desenrolar o novo quebra-cabeça (nem tão complicado, preguiçoso até), quando ambos percebem que a resposta pode estar bem na cara. Talvez o único acerto, que nem é propriamente desenvolvido, é o uso do Riggs como um protagonista, mas o mesmo ainda acaba sendo ofuscado pelas outras tramas, embora a sua seja a única que envolva diretamente as armadilhas em funcionamento.

A partir desse filme, a série perde seu código moral e abandona as questões filosóficas apresentadas nos três primeiros, onde se torna uma farofa de má qualidade feita para chocar os públicos com a representação explícita da degradação da carne. O filme em si é horrível, sem muito a oferecer e que, com a falta de um roteiro caprichado e de uma direção memorável, se torna um dos piores da série.

por Neto Ribeiro

Título Original: Saw IV
Ano: 2007
Duração: 92 minutos
Direção: Darren Lynn Boseman
Roteiro: Patrick Melton, Marcus Dunstan
Elenco: Tobin Bell, Costas Mandylor, Lyriq Bent, Scott Patterson, Betsy Russell, Athena Karkanis

Um comentário :

  1. Quando termina as críticas do filme jogos mortais você pode fazer a crítica 7 desejos pff

    ResponderExcluir