4 de julho de 2017

Crítica: The Walking Dead | 1ª Temporada (2010)


Originalmente, The Walking Dead era (e ainda é) uma série de quadrinhos lançada em 2003 pela Image Comics.  A história foi criada e escrita por Robert Kirkman e o desenhista Tony Moore, substituído por Charlie Adlard a partir da edição número 7. Na saga, a história é focada em um grupo de sobreviventes liderados por um ex-oficial de polícia chamado Rick Grimes, que se unem na luta para superar o caos de zumbis. Parece ser simples, mas a história é bem mais complexa do que isso. 

O sucesso da HQ foi tamanha que logo uma série estava sendo produzida pelo canal AMC, a primeira temporada teria apenas seis episódios que foram ao ar no dia 31 de outubro até o dia 5 de dezembro de 2010. A produção foi desenvolvida para televisão por Frank Darabont, que escreveu ou co-escreveu quatro de seis episódios da temporada e dirigiu o episódio piloto também.

A primeira temporada foi recebida com elogios de quase todos os críticos e teve 5.35 milhões de telespectadores em sua estreia. O episódio final recebeu 5.97 milhões de telespectadores totais e 3 milhões de adultos com idade entre 18 e 49 anos, tornando-se a primeira temporada de série dramática da televisão por assinatura dos Estados Unidos mais vista de todos os tempos, depois superada por Fear the Walking Dead, série que curiosamente é um spinoff da TWD.

A série inicia com o vice-xerife chamado Rick Grimes sendo baleado em um tiroteio com criminosos armados em fuga, também somos apresentados ao parceiro e melhor amigo de Rick, Shane Walsh, até essa parte não temos nada que indique um apocalipse zumbi, tudo flui naturalmente na vida deles até o momento em que Rick é ferido. Nesse primeiro momento, a relação de companheirismo e parceria é desenvolvida entre os dois personagens.

Depois de um tempo em coma, Rick desperta no hospital que agora está abandonado e muito danificado, nós não sabemos por quanto tempo ele ficou dormindo, mas pelo fato do relógio estar parado e das flores ao seu lado já estarem mortas, indica que ele ficou muito tempo ali. Ao sair do local, ele descobre um mundo pós-apocalíptico invadido por zumbis. Rick também descobre que sua esposa e filho, Lori e Carl, estão desaparecidos.

Pessoalmente, eu gostaria de ver um pouco do caos se instalando no hospital antes do Rick acordar, poucas produções mostraram um infecção se espalhando num centro de saúde, então seria bem interessante isso, inclusive existe um rápido momento em que vemos a infecção no hospital, mostrado no ultimo episódio da temporada, mas poderia ter sido mais desenvolvida. Enfim, temos ótimos momentos durante essa descoberta do Grimes desse mundo. A cena que ele anda pelo hospital e vê um corpo pela metade, ou a famosa porta pinchada com os dizeres: "Don't open, dead inside". Todas bem feitas e sinistras, ainda mais sabendo em que está num hospital, a impressão que temos é que a qualquer momento o Rick vai se deparar com uma horda de infectados. 

Desorientado, ele encontra dois sobreviventes: Morgan Jones e seu filho Duane. Morgan o acolhe explica a situação atual da sociedade e como as coisas ficaram feias rápidas, também explica que a mordida dos zumbis é mortal. Baseando-se em um rumor que os Jones tinham ouvido falar, Rick se arma e começa uma perigosa jornada para Atlanta, na Geórgia, onde o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CCD) disse ter criado uma zona de segurança na cidade. Ao chegar à Atlanta, ele logo descobre que a cidade foi invadida por zumbis.

Morgan funciona como uma fonte de informação sobre esse novo mundo para Rick, o homem acaba se tornando amigo do policial e a relação deles é bem construída no decorrer do capítulo. É muito legal ver também a relação entre Morgan e Duane, e a impossibilidade de Morgan em matar a sua mulher, agora, transformada em Zumbi... Isso reflete um pouco no desespero que é matar um membro querido da família, e ao mesmo tempo, faz pensar.    

A poucos quilômetros fora da cidade, a esposa de Rick, Lori, e seu filho, Carl, se escondem dos zumbis com Shane Walsh, que se apaixonou por Lori, e ela corresponde a ele uma vez que ela acha que o seu marido está morto. Eles estabeleceram um acampamento com um pequeno grupo de companheiros sobreviventes, entre eles estão: Jim, Amy (a irmã de Andrea), Carol, Dale, Jim, Ed (o marido de Carol), Sophia (a filha de Carol e Ed), entre outros. Todos desenvolveram uma relação de companheirismo para lidar com o perigo que os cercam.

Vários membros do grupo foram para o centro de Atlanta em busca de suprimentos, sendo que um deles, Glenn Rhee, resgata Rick, que foi cercado por caminhantes após se refugiar em um tanque de guerra abandonado. Por causa de Rick, os zumbis se agitaram na cidade impossibilitando o grupo de sair. Esse plot rende boas cenas de suspense como a em que Rick e Glenn se sujam de sangue e vísceras de zumbis para passarem despercebidos por entre as criaturas.  

Os membros do grupo: Andrea, Glenn, Jacqui, Morales e T-Dog: Têm problemas com Merle Dixon, e Rick algema-o no telhado de uma loja de departamentos, e por acidente, o homem acaba ficando preso ali depois de todos fugirem.


No acampamento, Rick reencontra Lori e Carl e assume o comando com Shane, isso foi muito interessante e emocionante de ver. Após uma séria desavença com Daryl Dixon, eles voltam para a cidade em uma tentativa de resgatar Merle, irmão de Daryl, e recolher uma sacola de armas que Rick havia deixado para trás quando foi atacado pelos zumbis.

Ao chegarem lá, eles só encontram apenas a mão de Merle serrada. Um grupo de zumbis, eventualmente, ataca o acampamento e mata várias pessoas, entre elas Amy (Curiosamente um dia antes do seu aniversário), irmã de Andrea, e Ed Peletier, marido de Carol. A maioria dos sobreviventes fogem para buscar ajuda no CCD, mas uma família sai por conta própria para encontrar seus familiares que julgam ainda estarem vivos e Jim, que sofreu uma mordida de um zumbi, é deixado na estrada, a céu aberto a pedido do próprio.


No CCD, os sobreviventes descobrem que todos os membros da equipe que atuavam no lugar já fugiram ou cometeram suicídio, com exceção do Dr. Edwin Jenner, que ainda habita ali. Dr. Jenner explica que sua pesquisa da infecção não produziu uma cura, e ele não tem estado em contato com alguém por um longo tempo. A falta de combustível para os geradores de emergência logo inicia os protocolos de segurança do edifício, que irá desencadear uma explosão projetada para destruir as instalações e evitar a fuga de doenças mortais. Dr. Jenner, Andrea e Jacqui, um membro do grupo de Rick, decidem ficar e acabar com suas respectivas vidas, mas Dale convence Andrea a não se entregar.

Pouco antes da explosão, Dr. Jenner sussurra algo no ouvido de Rick, mas nós não ficamos sabendo o que foi dito, e graças a Carol que carregava uma granada na bolsa pertencente a Rick, o grupo consegue escapar enquanto o CCD é incinerado na explosão. E assim termina a pequena temporada, com Rick e o seu grupo partindo rumo ao desconhecido e incerto onde os mortos vivos são os 'donos do mundo'.

Analisando essa temporada, ainda vemos um pouco de inocência e humanismo nos personagens. O fato do Morgan ajudar Rick sem conhecê-lo; Ou do Rick voltar à cidade para resgatar Merle; Ou o fato do Rick dar metade de suas armas para um grupo que vivia num asilo protegendo os idosos. O desenvolvimento dos personagens também é legal, conforme as coisas vão acontecendo, nós vemos o quão instável alguns membros do grupo podem ser frente a situações de perda ou de posse.


Os dramas pessoais entre os personagens também são interessantes e dão peso à série: Lori fica com raiva de Shane porque ela acha que ele mentiu para ela quando disse que Rick havia morrido; A 'depressão' de Andrea após perder Amy; O conflito entre Carol com o seu marido violento e, possivelmente, molestador de sua própria filha; E o medo de Dale da instabilidade de Shane sobre Rick. Conflitos esse que vão garantir bons momentos no futuro.


Mesmo não conhecendo bem os personagens, algumas mortes são carregadas de dramas a ponto de sentirmos algo pela perda, é o que acontece com Amy e Jim, principalmente. A temporada poderia ter facilmente um episódio a mais mostrando um pouco mais sobre o apocalipse ou, quem sabe, mostrando como o grupo se encontrou em meio a todo aquele caos. Apesar disso, não podemos negar que essa temporada começou boa e terminou boa dando um gostinho de 'quero mais'.

The Walking Dead começou com um ritmo legal, deu uma boa base para nos importarmos com alguns personagens, desenvolveu bem eles e nos deu uma das melhores séries de zumbis. Nota: 8,5.

Bom pessoal, é isso... Eu gosto muito dessa série e no decorrer das criticas das outras temporadas vamos falando sobre todos os pontos negativos e positivos de cada uma delas. Então, até a próxima.

Algumas curiosidades sobre a série:

- Os atores que interpretam os zumbis na série de TV passam antes por uma espécie de escola zumbi. Lá eles aprendem como gesticular e agir como um caminhante faminto.

- O primeiro zumbi que Rick Grimes mata no primeiro episódio da primeira temporada deixa uma
mancha de sangue com o formato de uma caveira sorridente na camisa do personagem.

- Daryl Dixon (interpretado por Norman Reeedus) usa um arco de caça específico durante as filmagens da série. O modelo é o Horton Scout HD 125 e é vendido por cerca de 300 dólares. O ator afirmou em entrevista que depois das filmagens da primeira temporada ele levou o arco para sua casa.

- Durante as gravações os atores que interpretam os caminhantes fazem suas refeições juntos enquanto os que interpretam humanos comem separados. 

- No universo de TWD, existem cerca de 5 mil zumbis para cada 1 ser humano.

- Edwin Jenner, o cientista que estava no Centro de Controle de Doenças de Atlanta recebeu esse nome em homenagem ao médico inglês que desenvolveu a vacina da varíola em 1790.

- O primeiro episódio de The Walking Dead foi veiculado no Halloween de 2010.

- Foram feitos uma série de websódios (episódios veiculados exclusivamente na internet) sobre o passado da garotinha zumbi que tinha uma bicicleta e foi morta por Rick no primeiro episódio.

- A cena onde Merle Dixon começa a atirar de um telhado na 1ª temporada causou pânico no ao redor set de gravações. Algumas pessoas pensaram que o ator era um terrorista e chamaram a polícia. Uma equipe da S.W.A.T apareceu no set mas ninguém foi preso.


FICHA TÉCNICA

Titulo: The Walking Dead.

Criador(es): Frank Darabont, Robert Kirkman.

Produtor(es): Jolly Dale, Caleb Womble, Paul Gadd, Heather Bellson.

Capítulos: 06 Capítulos. 

Elenco: Andrew Lincoln (Rick Grimes), Jon Bernthal (Shane Walsh), Sarah Wayne Callies (Lori Grimes), Laurie Holden (Andrea), Jeffrey DeMunn (Dale Horvath), Steven Yeun (Glenn Rhee), Chandler Riggs (Carl Grimes), Norman Reedus (Daryl Dixon), Melissa McBride (Carol Peletier), Michael Rooker (Merle Dixon), Emma Bell (Amy), Jeryl Prescott Sales (Jacqui), Andrew Rothenberg (Jim), IronE Singleton (Theodore "T-Dog" Douglas), Adam Minarovich (Ed Peletier), Madison Lintz (Sophia Peletier), Noah Emmerich (Dr. Jenner), Juan Gabriel Pareja (Morales), Viviana Chavez (Miranda Morales), Maddie Lomax (Eliza Morales), Noah Lomax (Louis Morales), Lennie James (Morgan Jones), Adrian Kali Turner (Duane Jones). 

Sinopse: A série inicia com o xerife Rick Grimes sendo ferido após travar um tiroteio com criminosos armados. Ele entra em coma e desperta semanas depois, em um hospital abandonado e danificado. Ao sair do hospital, Rick descobre-se em um mundo pós-apocalíptico dominado por mortos-vivos. Rick inicia uma perigosa jornada para Atlanta, onde acredita-se que o 'Centro de Controle e Prevenção de Doenças' tenha criado uma zona de quarentena onde sobreviventes podem ficar a salvo. Ao chegar a Atlanta, ele logo descobre que a cidade foi dominada pelos mortos.

Por: Michael Kaleel. 

Postar um comentário