3 de agosto de 2017

Crítica: Corra que os Tomates Assassinos Vem aí (1990)

Agora sim, os tomates tem rosto. 

Aqui estamos nós outra vez, o terceiro capítulo dos tomates assassinos fora lançado e com ele vem as novidades dessas frutas tão hostis. Os tomates sofreram uma 'evolução' e agora eles possuem rostos, mais do que isso, eles também possuem mãos composta por folhas. Eles estão espertos e ainda mais presentes que no filme anterior. Mas isso quer dizer que o filme é bom?

A equipe por trás desse capítulo é praticamente a mesma dos filmes anteriores, John De Bello volta a dirigir, o roteiro fica por conta do criador dos tomates, Costa Dillon, e do J. Stephen Peace.  A diferença é que temos um toque do ator Rick Rockwell que deu uns ajustes no roteiro também. 

O filme começa com uma mulher correndo em pânico por uma floresta, atrás dela está um homem com uma máscara de hóquei segurando um taco de hockey. A mulher, em desespero, cai no chão, e o homem a alcança... Era um assassino inspirado em Jason Voorhees da franquia 'Sexta Feira 13', ao perceber de quem se tratava, a mulher aliviada diz: "Graças a Deus, eu achei que era um tomate assassino". Ao lado dela aparecem vários tomates assassinos usando a icônica mascara do Voorhees, então a moça e o próprio assassino gritam em pânico.  Eles foram assassinados pelas criaturas em off, apesar de não vermos os assassinatos, a cena como um todo é bem engraçadinha. 

Logo depois a cena muda para o policial, super infantil, Lance Boyle (Rick Rockwell) durante a sua manhã matinal. Ele recebe uma chamada de dois homicídios, é o casal da introdução. Achando que os tomates podem ser a causa das mortes, é chamado a tomatologista Kennedy Johnson (Crystal Carson). Logo nós percebemos que o Lance é cético quanto a história dos tomates assassinos e zomba da doutora a todo momento. 

Tarde da noite a doutora Johnson vai para o seu laboratória investigar as pistas encontradas na cena do crime, ela é atacada pelas criaturas que estavam espalhadas pelo local, mas se defende. 

O doutor Gangreen (Mais uma vez interpretado por John Astin) também está de volta, usando o nome Jeronahew para não ser descoberto, o filme não explica como ele saiu da cadeia, pior que isso, dessa vez ele é um apresentador de televisão super famoso, segundo as notícias, ele surgiu na TV repentinamente e conquistou milhares de fãs. Junto com Igor (Voltando a ser interpretado por Steve Lundquist), ele tem novos planos para conquistar o mundo, mas dessa vez é através da televisão, os tomates são apenas os capangas do cientista. 

Wibur Filentter (J. Stephen Peace) está de volta mais uma vez, agora como capitão e chefe de Lance... Ele é convidado para participar do programa de TV do seu inimigo, Gangreen, porém o paraquedista não tem ideia que o apresentador é o cientista que ajudou a criar os tomates assassinos. Durante o show está a doutora Johnson e o tomate TP, agora chamado de Fuzzy, que consegue falar algumas palavras em inglês.

Ao receber outra chamada de emergência, Lance fica sabendo que tomates haviam sequestrado alguns membros da imprensa e da mídia, relutante com a ideia das frutas assassinas, ele ignora o ocorrido. Existe uma cena em que é feito uma paródia de 'Psicose' onde Kennedy Johnson vai tomar banho, eu ao som da musica tem de 'Tubarão', ela grita ao perceber que tem pouco shampoo, logo depois ela dá outro grito... O sabonete também está no fim, mas aí ela é atacada por um tomate que parece voar (???), essa é outra novidade das criaturas, eles meio que voam agora... Enfim, a mulher sobrevive matando o tomate e liga para a policia para relatar o ocorrido.

A mando de Gangreen, os tomates e Igor sequestram mais jornalistas. 

Lance atende o chamado de Johnson e após ouvir a história do ataque, ele continua, irritantemente, cético quando a existência dos tomates assassinos. Mais tarde ele vai até a universidade onde está o laboratório da doutora Johnson, só que mais uma vez ele não é convencido da existência desses seres. Nem mesmo depois dele ser atacado pelos tomates assassinos voadores no estacionamento da universidade.    

Durante a noite o detetive vai para a casa de Kennedy com o objetivo de protegê-la. E durante um tempo, conversa vai, conversa vem e os dois acabam se desentendendo outra vez e Johnson o expulsa de seu apartamento. O problema é que naquela mesma noite o doutor Gangreen decide matar a tomatologista. Para a sorte dela, Lance esquece os sapatos e salva Kennedy dos tomates. A doutora fica grata e deixa o policial dormir no apartamento... Finalmente ele está começando a se convencer de que tem algo errado com alguns tomates.

Enquanto isso, os tomates e o Gangreen vão executando os seus planos, em um assalto a banco temos até um tomate com arma, eles acabam sequestrando o gerente de um banco. Além dele, o parceiro de Lance, Evan Rood (John Witherspoon), também é sequestrado, mas antes ele envia um fax para Lance avisando sobre o ataque. 

O casal decide agir junto para salvar os prisioneiros do vilão... Por algum motivo eles vão parar num bar onde os tomates são os frequentadores, o agente especial Sam Smith, o mestre do disfarce, trabalha no local. Aqui eles falam com um tomate na língua deles, a tomatologista tem até um dicionário para o idioma dos tomates. Uma curiosidade a respeito é que Boyle pede-lhe uma Bloody Mary, referenciando a cena da fogueira no filme original. Apesar de ser uma cena legal, ela deixou muitas perguntas no ar: "Porque Sam Smith está ali?", "Porque os tomates deram dicas de como impedir o chefe deles?". 

Depois de uma maratona seguindo a pista que o tomate deu "Siga as estrelas!", eles finalmente descobrem o esconderijo do Gangreen e vão até lá e conseguem resgatar o Evan Rood.

A verdade é que o filme não se decide qual história vai seguir. Tipo, Lance não acredita nos tomates assassinos, então a guerra dos tomates dos dois filmes anteriores é ignorado por ele mesmo com o paraquedista estando ali como seu chefe e com as histórias dos primeiros filmes passando direto nas notícias da TV? Porque os tomates voltaram a ser comercializados nos Estados Unidos ?   

Lance e Kennedy seguindo as estrelas. 

No hotel a dupla é atacada por tomates ninjas e a doutora Kennedy acaba sendo levada pelos bichinhos vermelhos. Enquanto isso, Gangreen faz lavagem cerebral em todos os jornalistas sequestrados.  

O douto louco faz o seu programa contendo como público os sequestrados e duas reféns, entre elas, a doutora Kennedy, uma cena bem aleatória e que não agrega em nada o filme. O que ninguém estava contando é que Wilbor estava a espreita com o seu uniforme de paraquedista, essa foi outra cena aleatória colocada aqui apenas para dar um ar de nostalgia aos fãs do original.  

Para matar a sua inimiga, Gangreen faz um sanduíche gigante com ela. Lance consegue chegar no local e impede que ela seja comida viva pelos tomates. Após a dupla ser encurralada por Igor, o doutor revela o seu plano para casal, ele vai lançar o seu programa no mundo inteiro, e assim, fazer uma lavagem cerebral em todos. Porém, devido a uma distração, o casal foge e se abriga numa sala com reféns que sofreram lavagem cerebral, devo dizer que a aparência dos reféns é a coisa mais assustadora do filme inteiro, quiza da trilogia, e olha que nem é grande coisa, apesar disso eles conseguem se livrar.

Após ficarem cercados pelos tomates, a doutora Kennedy tem a brilhante ideia de passar ketchup no corpo para que os tomates não os comam... E não é que funciona. A doutora afirma que como os tomates não comem uns aos outros, se eles tiverem cheiro de tomates, passarão despercebidos. A musica, que nos filmes anteriores alternavam entre ponto fraco e força dos tomates, é ignorada aqui e ela não possui relevância alguma para a história.

A ponto de iniciar o seu plano macabro, Gangreen é desmascarado em público pelo casal e salvo por Fuzzy... Kennedy bate no doutor que cai na comida dos tomates que o comem. E esse é o fim do grande vilão. O filme acaba com um beijo entre Lance e Kennedy.


Curiosamente, os créditos sobrem com mais uma daquelas metalinguagens onde um repórter entrevista a equipe do filme 'Tomates Assassinos 3'. 

E vocês repararam numa coisa?... Pois é, o paraquedista não apareceu mais, depos que ele aparece na floresta com o seu uniforme tradicional, só o vemos outra vez nas cenas pós-créditos. O filme nos da um falso sinal de que Wilbur Finletter iria entrar em ação mais uma vez para salvar o dia, mas isso não acontece.

O longa metragem possui ulguns toques referenciais bem legais, não tem como não gostar da introdução referenciando o 'Sexta Feira 13' e da cena do banheiro homenageando 'Psicose'. Particularmente achei legal os tomates ganharem rostos, ficou algo mais macabro... Não obstante, o filme optou por dar mais importância as frutas, deixaram aquela história de transformar tomates em pessoas de lado, e isso foi um grande acerto. Entretanto, são vários os problemas do filme, ele tentou corrigir os erros dos filmes anteriores, mas acabou caindo em novas falhas. Os tomates são coadjuvantes nesse capítulo, são apenas uma ferramenta da história, não demonstram uma ameaça real. O foco aqui é num cientista louco (a verdadeira ameaça) que quer usar os tomates para dominar o mundo, isso é uma pena, com esse novo visual eles poderiam ter feito algo bem mais interessante. As atuações estão forçadas demais, enquanto que nos primeiros parecia ser uma coisa ruim proposital e descompromissada, nesse a coisa só tenta parecer descompromissada, dá para ver que os atores estão interpretando os seus personagens e não transmitem espontaneidade deixando tudo um pouco forçado.  

Um ponto que pode incomodar muita gente é a ausência da equipe se soldados... Sam Smith aparece, mas não faz nada, o paraquedista e deixado de lado... Então ficou esse espaço vazio na história, se Lance, com a ajuda do paraquedista, recrutasse um novo grupo anti tomates, poderia soar bem mais interessante e poderia render bons momentos cômicos que já é algo característico da franquia.  

Então, apesar da modernização da história como um todo, esse filme é o menos engraçado e o mais fraco da franquia, por isso, a nota para ele é: 5,0... Eu dei a mesma nota para o primeiro filme, porém levando em conta o ano, o orçamento e a forma em que fora feito, consegue divertir com os absurdos mostrados em cena. Faltou coerência, ousadia, mais tomates, e menos previsibilidade, principalmente na história do cientista louco que quer dominar o mundo. Arrrhg.


Existem vários debates sobre o tomate, se ele é uma fruta ou um vegetal... A verdade é que embora ele seja uma fruta, ele é um vegetal juridicamente falando por causa das taxas de importação e exportação pagos. Nesse filme (e nos anteriores também) o tomate é visto como um vegetal.

Outra curiosidade é que o tomate é a fruta mais famosa e consumida no mundo, em segundo lugar está a banana.  

FICHA TÉCNICA


Titulo original: Killer Tomatoes Strike Back.

Titulo brasileiro: Corra que os Tomates Assassinos vem aí.

Diretor: John De Bello.

Roteiro: John De Bello, J. Stephen Peace, Costa Dillon. 

Elenco: Lance Boyle (Rick Rockwell), Kennedy Johnson (Crystal Carson), doutor Gangreen/Jeronahew (John Astin), Wibur Filentter (J. Stephen Peace), Igor (Steve Lundquist), Evan Rood (John Witherspoon).

Sinopse: Dr. Mortimer Gangreene, um cientista louco, quer dominar o mundo usando as feras vermelhas. A única coisa que poderá atrapalhar os planos do cientista, é o detetive Lance Boyle, que não acredita na existência dos Tomates Assassinos. Mas, uma deslumbrante tomatóloga foi encarregada de fazê-lo crer na existência desses terríveis assassinos. Ela é a única pessoa capaz de cumprir essa missão. Thriller trash, que aproveita o sucesso do primeiro levante dos Tomates de 1978, O Ataque dos Tomates Assassinos. 

Por: Michael Kaleel.

Postar um comentário