15 de setembro de 2017

Crítica: Amityville - O Despertar (2017)

Toda casa tem uma história. Essa tem uma maldição.

Enfim saiu, depois de uns três anos adiando o seu lançamento, Amityville: O Despertar, estreou nos cinemas brasileiros no dia 14 de setembro. Infelizmente só nos cinemas brasileiros... Nos Estados Unidos não existe previsão de lançamento e a espera parece interminável.

O plano original era de um filme completamente diferente, o titulo era 'Amityville: The Lost Tapes'. Nesse caso, a Dimension Films e a Miramax estavam produzindo juntos, ao mesmo tempo que foi co-escrito por Casey La Scala e Daniel Farrands utilizando a saturada técnica de found footage.

O enredo envolvia uma ambiciosa estagiária de um noticiário, à beira de mostrar a verdade sobre o caso mais famoso de uma casa assombrada no mundo. Ela lidera uma equipe de jornalistas, clérigos e investigadores paranormais em uma investigação de acontecimentos bizarros que seriam reconhecidos como 'The Amityville horror', abrindo involuntariamente uma porta para o irreal que nunca mais poderá ser fechada. Mas, esqueçam essa história! Ela nunca chegou a sair do papel.

Franck Khalfoun foi designado para dirigir, as filmagens estariam previstas para começar no verão e o lançamento em 27 de Janeiro de 2012. No entanto, depois de alguns atrasos, o conceito do filme foi modificado. Casey La Scala e Daniel Farrands reescreveram um filme Amityville completamente diferente. Em março de 2014, o filme reescrito foi renomeado de ‘Amityville’. Enquanto os planos para esse produto iam sendo realizados, filmes independentes com esse tema iam sendo lançados a todo momento.

Já em março de 2014, Jennifer Jason Leigh e Bella Thorne assinaram contrato para estrelar o elenco. Em abril, juntaram-se ao elenco: Thomas Mann, Taylor Spreitler e Cameron Monaghan. A partir desse elenco podemos notar que ouve uma melhora de qualidade em relação aos últimos filmes que contavam com atores desconhecidos. Um exibição teste foi feita, mas o público acabou não gostando do resultado final. Isso fez com que os produtores modificassem algumas coisas do filme, o problema é que alguns atores já estavam envolvidos com outros projetos, como o caso de Cameron que estava se dedicando a série Gothan, isso atrasou ainda mais o lançamento do filme.  

Oficialmente, esse é o décimo capítulo da franquia, entretanto se juntar com os filmes independentes que foram lançados desde 2011 e com o documentário, temos 20 filmes falando sobre Amityville na qual 'O Despertar' é o décimo nono, e olha que ainda tem pelo menos mais dois longas sobre o tema vindo por aí, é só ficar de olho nas notícias... Isso faz com que Amityville seja uma das maiores franquias de terror da história. O fato é que de 20 filmes, podemos contar no dedo os que realmente são bons. O resto oscila entre o ‘ruim mas aceitável’ e o ‘carma do capeta’ que nos faz perder tempo ao assistir tais filmes. Se vocês quiserem saber mais sobre os outros capítulos, colocarei no fim desse texto a lista de críticas dos longas da franquia que nós temos.  

O filme se passa 40 anos após o assassinato da família DeFeo na casa da rua Ocean Avenue Nº112. Os novos proprietários da residência é uma família desestruturada composta por Joan (Jennifer Jason Leigh) e seus três filhos: o doente moribundo, James (Cameron Monaghan), a irmã gêmea de James, Belle (Bella Thorne), e a caçula Julliet (Mckenna Grace)... Além deles, tem a irmã de Joan, Candice, ela mora nas redondezas. E tem o médico de James, o doutor Milton (Kurtwood Smith). 

Logo de cara dá para notar como a família possui problemas entre si. Joan é uma mulher que recusa-se a aceitar que James (Que está em estado vegetativo) morra, ela se dedica por completo ao filho e acaba negligenciando as duas filhas, especialmente Belle que não só aceitou a morte de James como também quer que a mãe aceite em deixa-lo morrer. Essa questão levanta vários conflitos entre as duas, ainda mais porque Joan, de certa forma, culpa Belle pelo que aconteceu com James. 

Na medida em que o tempo passa, Belle descobre para onde ela se mudou, a casa de Amityville é famosa pelos acontecimentos de 40 anos atrás, e isso desperta histórias na população a respeito daquela localidade. Não obstante, James começa a dar sinais de melhora, assim, contrariando tudo que os médicos diziam para Joan.



Na escola, Belle faz amizade com o alucinado do Terrence (Thomas Mann) e Marissa (Taylor Spreitler), a dupla resolve mostrar a história da casa de Amityville através dos filmes. Esse ponto é curioso, particularmente eu não gostei, entretanto não vai estragar a diversão. Eles usam os longas  ‘Terror em Amityville’ de 1979, ‘Amityville: A Possessão’ de 1982 e ‘Horror em Amityville’ de 2005 para mostrar a Belle com o que ela está lidando, além do livro de Jay Hanson que também está presente.

São pessoas num filme de Amityville assistindo aos filmes de Amityville, tornando ‘O Despertar’ algo único e a verdadeira sequência desde os assassinatos dos DeFeos e a fuga dos Lutz, mas isso é só um detalhe, a história dos Lutz é deixada de lado, essa só foi mencionada uma vez por Terrence, e superficialmente. O fato é que essa película não é boa o suficiente para se auto proclamar como a verdadeira continuação da casa assombrada, coisa que é deixado subtendido ao transformar os filmes anteriores em meros filmes... Podiam ter ignorado a existência dos capítulos passados e ter usado só o livro que daria um resultado melhor.  

Belle começa a suspeitar que James não está melhorando por um milagre como todos achavam, mas sim por causa de um plano macabro e diabólico cujas consequências pode destruir a família... Não posso falar mais que isso sem dar spoilers. Basta dizer que o filme se justifica de uma forma bem interessante e que se for visto de uma forma pessoal, nos faz questionar sobre algumas coisas. Tudo na história tem uma explicação, coisas que vão desde a utilidade do quarto vermelho até a explicação do subtitulo 'O Despertar'. 

O terceiro ato é o calcanhar de Aquiles dessa película, ela começa promissora, mas tudo muda quando a luta pela sobrevivência realmente começa. Não é ruim, mas poderia ter sido melhor. Existe uma cena envolvendo um ser esquelético andando pela casa se contorcendo todo, ela é muito bizarra e legal, se deixassem essa ideia até o fim, a história seria muito mais sinistra... Mas eles acabaram mudando e deixaram tudo mais ‘light’, o que é uma pena. E para completar, o filme acaba de uma forma bem rápida, ele não dá tempo para o público raciocinar. O desfecho acontece, é relatado através de notícias o que aconteceu com a família depois de saírem da casa, e fim.

Acredito que uns cinco minutos a mais nesse final, mostrando um pouco mais de Belle e de sua família, seria bom. Para se ter uma ideia, temos alguns personagens que simplesmente somem da história, se esses personagens aparecessem no final de alguma forma, daria mais peso a ela. Também faltou um pouco mais de atuação de alguns personagens, principalmente de Thorne e Leigh que derrapam algumas vezes em suas atuações, principalmente na hora em que precisam gritar.

Com um tom melancólico e depressivo devido a situação em que os personagens se encontram, Amityville: O Despertar, aborda muita coisa dos livros, faz referências ao porco Jodie, eles aprofundam a ideia da hora 03h:15min, e também focam no quarto vermelho que fica no porão. São coisas que para quem leu o livro ou pegou as referências nos filmes anteriores, soa divertido. Também foi inteligente mostrar a fama da casa na comunidade de Amityville, mesmo que de forma simples, pudemos ver como a população reage a essa história infame.

Um ponto positivo é que ele não é tão clichê assim, existem alguns sustos bem inesperados, você não espera que alguma coisa vá acontecer naquele momento e... Acontece. Apesar disso, de fato eu não consegui achar os motivos que levaram esse filme ir para os cinemas, ele funciona bem, mas seria melhor se ele fosse direto para as lojas. 

E no fim, na minha lista, esse é o terceiro melhor filme da franquia, atrás do original de 1979 e da prequel de 1982. É um filme de terror honesto que aborda o tema principal de Amityville e que está ali dentro do esperado... E se você acha que esse filme é ruim, por favor, assista aos filmes ‘The Amityville: Playhouse’ e ‘Amityville: Death House’... Garanto que você não vai achar 'Amityville: O Despertar' tão ruim assim depois disso, mas também não vá ao cinema esperando ver um 'Invocação do Mal' da vida. Entenda que a proposta de Amityville é uma história "baseada em fatos reais" focada numa casa maldita, então espere para ver um filme de uma casa maldita. Se você vai ver esse filme esperando algo fora do que já conhecemos, você está na sessão errada. Nota: 6,5.


Curiosidades:

- A primeira data de estreia deste filme era 27 de janeiro de 2012. Problemas na produção atrasaram as filmagens, e o lançamento foi reagendado para 3 de janeiro de 2014. Novas mudanças foram providenciadas, e outros adiamentos empurraram a chegada às telas para 2 de janeiro de 2015, 15 de abril de 2016, 6 de janeiro de 2017, 30 de junho de 2017, e finalmente, 14 de Setembro de 2017.

- Um dos posters do filme traz semelhanças com o site de rede social Instagram. Nele, a protagonista posta uma foto da casa com a hastag #NovosComeços.

- McKenna Grace e Jennifer Morrison já trabalharam na série Once Upon a Time (2011). Enquanto Jennifer interpretou Emma Swan, McKenna viveu a versão mais jovem de Emma Swan.

- Vale dizer que realmente existem algumas cenas nos trailers (Especialmente o trailer 2) que não estão no filme, não são muitas, mas seria bem interessante se aparecessem.


FICHA TÉCNICA

Titulo original: Amityville: The Awakening.

Titulo brasileiro: Amityville: O Despertar.

Diretor: Franck Khalfoun.

Roteiro: Franck Khalfoun, Casey La Scala, Daniel Farrands. 

Elenco: Belle (Bella Thorne), James (Cameron Monagha), Joan (Jennifer Jason Leigh), Marissa (Taylor Spreitler), Julliet (Mckenna Grace), Terrence(Thomas Mann), Candice (Jennifer Morrison), Dr. Milton (Kurtwood Smith).

Sinopse: Belle, sua irmã mais nova e seu irmão gêmeo em coma se mudam para uma nova casa com sua mãe solteira, Joan, para guardar dinheiro para pagar pelo caro tratamento do jovem. Porém, quando estranhos fenômenos começam a acontecer na casa, incluindo a milagrosa recuperação de seu irmão, Belle começa a suspeitar que sua mãe não está dizendo toda a verdade e logo percebe que eles se mudaram para a infame casa Amityville.


Criticas da franquia Amityville:


Por: Michael Kaleel.

2 comentários :

  1. Posso assistir esse filme sem ver os demais? Ou apenas vendo o primeiro, pois como é dito na critica. Tem vários filmes ruins desta saga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um filme totalmente independente. Pode ver tranquilamente sem ter visto os outros.

      Excluir